O sistema digital de estacionamento rotativo começa a valer em Belo Horizonte a partir desta terça-feira (26). Embora o talão de papel ainda continue sendo vendido por tempo indeterminado, agora, quem desejar parar o carro nas vagas da capital também pode adquirir os créditos por aplicativo no celular. Com a medida, os carros em situação irregular voltam a ser multados. 

Segundo o secretário de Segurança e Prevenção do município, Genilson Zeferino, a venda de talões, prejudicada no fim de maio devido ao término de contrato com a empresa Faixa Azul, fornecedora dos papéis, foi normalizada na última sexta-feira (22). "Os postos já estão abastecidos e, com isso, nós voltamos a fiscalizar e multar quem não estiver com o rotativo", diz. Podem aplicar as sanções guardas municipais e policiais militares. 

Digital

Além do papel, o motorista que quiser efetuar a compra online, deve entrar na página da BHTrans (www.pbh.gov.br/bhtrans) e baixar um dos apps disponíveis para a venda de rotativos. Cada pessoa pode cadastrar duas placas simultaneamente. Ao parar em uma vaga, o usuário faz login no sistema e ativa o crédito. 

O preço segue o mesmo: o motorista paga R$ 4,40, seja por débito, crédito ou boleto bancário. O valor garante que o usuário possa estacionar o veículo em vagas de todos os tempos de permanência (1h, 2h, 5h ou 12h), além dos 30 minutos de bônus. O limite está indicado nas placas que identificam os espaços rotativos nas ruas da cidade. 

As pessoas que optarem por não fazer a compra utilizando o celular também poderão adotar o rotativo digital. Segundo o presidente da BHTrans, Célio Bouzada, há cerca de 560 pontos de venda, como bancas, farmácias e lanchonetes, que vendem os créditos digitais. “O cidadão vai a um posto que tem a identificação do rotativo digital, compra os créditos pelo celular do vendedor, que ativa a placa para ele”, explica. 

Fiscalização

Para garantir que os carros parados nas vagas de estacionamento rotativo estejam com os créditos ativados, uma equipe de 90 guardas municipais rodará os 867 quarteirões da capital onde o sistema é adotado. 

Em aplicativo próprio para a fiscalização, eles cadastrarão as placas do carros parados e poderão verificar se a pessoa pagou pelos créditos e se ainda está dentro do tempo de uso. Caso contrário, o usuário pode ser multado ou ter o carro rebocado, em situações em que o veículo está parado irregularmente há muito tempo, como lembra o secretário de Segurança e Prevenção, Genilson Zeferino. “Todas as sanções anteriores estão valendo, nós conseguimos agora correr atrás dos carros de uma forma muito mais dinâmica, que não fica só no papel do rotativo”, afirma.

Leia mais:

Conheça o aplicativo do rotativo digital que será usado em BH; veja o vídeo