Discursos tomados de ódio, brigas e, não raro, crimes têm sido frequentes em uma sociedade cada vez mais intolerante. Porém, em meio a tanta agressividade, a Semana Santa mostra que há pessoas de sobra dispostas a cultivar a paz e acolher o próximo. 

A solidariedade deve marcar o feriado de Páscoa em BH devido a pessoas e grupos que doam tempo, carinho e alimento a quem mais precisa. Exemplos não faltam, principalmente hoje, Sexta-feira da Paixão. 

Uma iniciativa que já se tornou tradição na capital é a distribuição de peixes no bairro Lagoinha, região Nordeste. Há exatos 27 anos, a ação é organizada pelo empresário Afonso Teixeira, de 64. “O que posso dizer é que quem vier vai receber 2 quilos de douradinho do mar”. Ele, no entanto, não revela quantas pessoas nem a quantidade de pescado doado. Para o comerciante, o mais importante é ajudar. “É muita alegria. Cada ‘Deus te ajude’ que recebo é uma ótima moeda de troca”. 

Mesa farta

Quem também pratica a solidariedade são os irmãos Anselmo Rodrigues e Marcelo Rodrigues. Donos da empresa Classe A Frutos do Mar, no Olhos d’Água, região Oeste, os empresários vão garantir a mesa farta de três instituições de caridade. Mais de 400 quilos de surubim e tilápia foram distribuídos. A ação é feita há mais de 15 anos. “É uma atitude simples, mas grandiosa para quem recebe”, resume Anselmo.

Chocolate

As boas ações durante a Semana Santa também vão garantir uma doce Páscoa para muitas pessoas. Mesmo viajando, a advogada Isabella Vilas Boas, de 32 anos, não quer deixar o fim de semana passar em branco e irá levar 300 mini ovos de chocolate para crianças carentes de Abaeté, na região Central. “Além desses, arrecadamos 126 ovos que destinamos para três asilos. Foram também 70 caixas de chocolate e outros bombons para moradores de rua”.

N/A

Cintia Chamone participa do grupo Força do Bem, que vai doar chocolates para crianças de várias cidades

 
O grupo Força do Bem – projeto formado por centenas de voluntários que organizam variadas ações – promete levar alegria para crianças tanto da capital quanto de cidades da Grande BH. “No último fim de semana, cerca de 500 ovos foram distribuídos em Esmeraldas. No domingo iremos para Raposos com mais 300”, conta um dos coordenadores, Gustavo Monção. De acordo com ele, mais importante do que o chocolate, são os sorrisos, carinho e diversão durante as visitas dos participantes.

N/A

Henrique mobilizou colegas para arrecadar caixas de bombom que serão distribuídas em um abrigo

Já o garoto Henrique Batista, de 10 anos, mobilizou colegas de escola e amigos do grupo de escoteiros para arrecadar caixas de bombom para crianças de 6 a 14 anos, acolhidas na Casa do Pequeno Cristo, que fica no bairro Nova Granada, região Oeste de BH. O estudante conta que ultrapassou a meta inicial de 80 caixas e, por isso, irá levar os 50 restantes para uma creche. “Acho que elas vão ficar bem felizes”.