O vereador Juliano Lopes (PTC) sugeriu que igrejas evangélicas e outros templos religiosos sejam usados como pontos de vacinação contra a Covid-19 em Belo Horizonte. De acordo com o parlamentar – que é líder do bloco “Somos mais BH” que faz oposição ao prefeito Alexandre Kalil na Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH) -, a PBH precisa criar um “plano de mobilização da vacinação” e tomou como exemplo os métodos usados nos Estados Unidos para realizar a imunização em massa.

“Não adianta comprar vacina e não ter um plano de mobilização para vacinar a população com rapidez. Podemos usar as igrejas, outros templos religiosos, espaços públicos como quadras de esportes, farmácias. Isso está acontecendo com sucesso nos Estados Unidos e pode ser aplicado aqui também”, destacou o parlamentar no plenário da CMBH – na última terça (9) - durante a votação que aprovou a integração da capital mineira no Consórcio Nacional de Municípios para a compra de imunizantes contra a Covid-19.

Durante a sugestão, Lopes criticou a não disponibilidade de vacinação em Belo Horizonte durante os fins de semana e disse que “não adianta ter mais vacinas estocadas enquanto as pessoas esperam”. “Não adianta comprar e não fazer parceria. Faz parceria com as farmácias. Tá aqui o vereador Hélio que tem farmácia, fecha parceria com ele. Tem a Drogaria Araújo, e outras redes. Usa esses espaços. Tem igrejas espalhadas pela capital, com estrutura para colocar os enfermeiros lá e vacinar. O que não podemos é comprar 4 milhões de doses e deixar no freezer estocadas”, afirmou.

Procurada, a PBH ainda não se pronunciou sobre o assunto.