Das muitas histórias que Belo Horizonte guarda, várias certamente nasceram nas casas de show fundadas por aqui.
Algumas, já extintas, deixaram saudade em muitos dos seus frequentadores. O Hoje em Dia selecionou cinco casas de show que fazem parte da história da cidade:

OLÍMPIA
Entre a década de 1980 e 1990, o subsolo do edifício JK, no bairro Santo Agostinho, na Zona Sul de BH, hospedou a casa de show Olímpia. Famosa pelas discotecas ao som do ritmo da época, o house, a casa foi uma das primeiras a criar na cidade a sessão matinê, com horários especiais para adolescentes. Para atender esse público a casa de show passou a funcionar a partir das 17h. O Olímpia fechou as portas no início da década de 1990.


GALOPEIRA
A Galopeira, conhecida por suas festas embaladas à sertanejo, anunciou o fechamento e o fim de suas atividades no início de 2015. Localizada no bairro Prado, região Oeste de  BH, a casa comportava 3 mil pessoas.


CABARÉ MINEIRO
Entre 1985 e 1992, o Cabaré Mineiro (que funcionava na rua Gonçalves Dias, número 54) fervilhou como um dos pontos principais da cena cultural mineira. Se hoje é um prédio residencial, antes o local foi palco de shows ontológicos de artistas que depois se consagraram no cenário da música, como Marisa Monte, Paulinho Pedra Azul, Cássia Eller, Wayne Shorter, Wynton Marsalis e Joe Pass.


BAR NACIONAL
Sucesso nos anos 1990, o Bar Nacional funcionou entre 1994 e 1997 na avenida do Contorno. O local foi um dos responsáveis pelo nascimento da cena que revelou nomes como Jota Quest e Skank. A banda de Samuel Rosa, inclusive, homenageia o bar na música Garota Nacional, de 1996.


LAPA MULTISHOW
Inaugurado em 1999 o Lapa tinha como objetivo levar ao público as diversidades culturais e artísticas, abrigando as inúmeras tendências estéticas e musicais. Shows de Rock, Reggae, Samba de Raiz, Forró, MPB e Samba Rock passaram pela casa. O espaço possuía infraestrutura para 1800 pessoas.