Um correntista do banco Bradesco, que foi rendido por criminosos e usado como escudo durante um assalto numa agência de Cristais, no Centro-Oeste do Estado, deve ser indenizado por danos morais em R$ 20 mil. A decisão é da 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

Segundo o processo, em março de 2012, o cliente foi atacado por assaltantes armados que colocaram um revólver em seu pescoço para render os seguranças. Ele ficou deitado no chão até que os bandidos fugissem do local.

Já o banco alegou que a culpa do assalto é exclusiva de terceiros e que a instituição não pode ser responsabilizada pelos transtornos causados ao cliente. E alegou ainda que durante o início da ação criminosa, o correntista estava fora da agência.

Mas o desembargador concluiu que as instituições bancárias são responsáveis por danos causados ao consumidor e que o assalto foi consequência de falha no sistema de segurança. “Caso contrário, os assaltantes não entrariam na agência”, afirmou Valdez Leite Machado.

A reportagem do Hoje em Dia entrou em contato com a assessoria do Bradesco e aguarda uma posição do banco.