No primeiro dia útil após o reajuste da tarifa do metrô, que subiu de R$ 1,80 para R$ 2,40, o clima foi de insatisfação nas estações de Belo Horizonte e de Contagem, na Região Metropolitana. "É um valor absurdo, que vai provocar um rombo no orçamento familiar", protestou a artesã Katiane Gonçalves de Oliveira, de 38 anos. Para ela, o usuário que utiliza o meio de transporte todos os dias vai sentir muito o peso do novo preço.

A técnica de enfermagem Carmem Lúcia Gonçalves, de 51 anos, engrossou o coro. "Tudo aumenta, só salário que não acompanha esses reajustes". Ela pontou que os vagões vivem lotados, alguns elevadores não funcionam e que, dependendo do horário, o intervalo entre as viagens é muito longo. "Com esse aumento, espero pelo menos que eles melhorem a estrutura para melhor atender os passageiros", declarou.

0f953912-a1f3-43cc-b7dd-002d3de37a40.jpg
Carmem Lúcia pagou mais caro pelo bilhete

A babá Sônia Oliveira, de 38 anos, disse na manhã desta segunda-feira (6) que não sabe de onde vai tirar dinheiro para bancar o reajuste. "Para mim foi péssimo", lamentou. Já o metalúrgico Daniel Júnior, de 38 anos, reconheceu que há muitos anos a tarifa não era reajusta em BH. Por isso, ele não achou o aumento abusivo. "É aceitável, mas desde que fique estagnado em R$ 2,40. Agora, aumentar todo mês, não acho justo".

Aumento progressivo

O valor do bilhete ficou mais caro no domingo (5), e é o primeiro de seis aumentos previstos até março de 2020, quando o bilhete chegará no patamar de R$ 4,25. O próximo reajuste, com o acréscimode R$ 0,50, está previsto para 7 de setembro. Confira abaixo a escala de reajustes:

  • 05/05/2019: R$ 2,40
  • 07/07/2019: R$ 2,90
  • 08/09/2019: R$ 3,40
  • 03/11/2019: R$ 3,70
  • 05/01/2020: R$ 4,00
  • 07/03/2020: R$ 4,25

O escalonamento do aumento da tarifa foi definido após uma audiência de conciliação na 15ª Vara da Justiça Federal de Minas Gerais. Com todos os reajustes a serem feitos, o bilhete do metrô da capital mineira sofrerá um aumento de 136% em menos de um ano. Com a elevação do preço em R$ 2,45 a mais que o cobrado atualmente, o valor será ainda 25% maior do que o reajuste proposto inicialmente, que era de passar o bilhete para R$ 3,40. 

A justificativa da CBTU para o aumento é que "há cerca de 13 anos não há alteração nas tarifas em Belo Horizonte, 15 anos em Natal, Maceió e João Pessoa e 7 anos em Recife, atingindo avançada defasagem ante ao custo de manutenção do sistema". Em Natal, Maceió, João Pessoa e Recife também será aplicado o reajuste escalonado nas mesmas datas anunciadas para Belo Horizonte. 

Depois do dia 7 de março do ano que vem, quando o valor do bilhete do metrô chegar aos R$ 4,25 previstos, a CBTU poderá fazer novos reajustes, conforme o termo da audiência de conciliação da Justiça Federal que definiu os valores. 

Integração mais cara 

Os usuários que, além do metrô, utilizam as linhas metropolitanas integradas com o cartão Ótimo também sofrerão com o aumento anunciado pela CBTU. De acordo com a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), com a implementação do reequilíbrio tarifário a partir de zero hora de domingo, a tarifa de integração das linhas do Sistema de Transporte Metropolitano, feitas somente com a utilização do cartão Ótimo, terá um aumento de R$ 0,50.

Para conferir a tabela com as tarifas das linhas metropolitanas que sofrerão aumento com o reajuste do metrô, basta clicar aqui.

Leia mais:
Primeiro de seis reajustes do metrô de BH entra em vigor e bilhete passa a custar R$ 2,40
Aumento do metrô no domingo deixa integração com transporte metropolitano mais cara R$ 0,50; confira
 

*Com Rosiane Cunha