O colombiano César Augusto Martinez Loaiza, de 29 anos, que provocou um acidente na avenida Nossa Senhora do Carmo no último domingo (30) tem 72 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) por infrações cometidas no trânsito. Na teoria, a partir do momento que se atinge 21 pontos, um processo já deveria ser aberto para suspender o documento.

De acordo com informações do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), da Polícia Civil mineira, Loaiza atingiu o limite no ano passado, e os 72, em fevereiro deste ano.

Ele irá responder a até três processos, instaurados nesta segunda-feira (31), por pontuação na carteira e pedindo a suspensão da CNH. Outro processo também será protocolado pela embriaguez ao volante.

O coordenador de operações policiais do Detran, delegado Anderson Alcântara, ainda destacou que pedirá a suspensão cautelar da carteira de Loaiza.

"Ele tem direito de ampla defesa e enquanto isso, não posso pegar a carteira. Mas como agora o homem se envolveu em um crime, tenho a possibilidade de pedir a suspensão cautelarmente, e o juiz é quem analisa. Neste caso, a carteira é suspensa no momento em que o juiz decidir", explicou.

Acidente

O colombiano César Augusto Martinez Loaiza colidiu contra uma van que transportava 12 pessoas vindas de uma festa de formatura na madrugada deste domingo (30). Com o impacto, a van capotou e o engenheiro Daniel de Oliveira Lacerda, de 40 anos, morreu no local. O corpo dele foi sepultado na manhã desta segunda-feira em Leopoldina, na Zona da Mata de Minas.

A batida foi na avenida Nossa Senhora do Carmos, esquina com rua Rio Verde. O suspeito admitiu que havia ingerido vodca em uma casa noturna momentos antes do acidente.

Engenheiro que morreu em acidente na Nossa Senhora do Carmo será enterrado nesta segunda-feira

Carro que teria causado acidente ficou completamente destruído. Foto: Reprodução

A esposa de Daniel, Valéria Ribeiro Lacerda, de 41 anos, que também estava na van, segue internada no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, na capital mineira. Até a noite de domingo, o estado de saúde dela era considerado estável, mas não havia previsão de alta. A Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig) deve divulgar novas informações sobre a situação da vítima ainda nesta segunda.

De acordo com uma parente de Valéria, a família está abalada com a tragédia. O engenheiro deixou dois filhos.