Começa a valer neste sábado o novo horário de funcionamento do comércio em Belo Horizonte. Shoppings e lojas de rua, bem como as instaladas em galerias, ficarão abertas por duas horas a mais. A medida, tomada em meio ao avanço da pandemia na capital, visa a diluir a concentração de consumidores e aumentar o distanciamento social. 

O anúncio foi feito pelo prefeito Alexandre Kalil. As lojas funcionarão de segunda a sábado, das 9h às 20h (a regra era das 10h às 19h nos dias da semana e, aos sábados, 9h às 18h). Já nos malls, das 10h e as 21h (antes era das 12h às 21h).

“Os hospitais particulares estão cheios. Diferente do setor público, que está em situação difícil, mas não está fechando porta”
Alexandre Kalil

“Queria dizer que nós não vamos fechar a cidade. Estamos tomando essa medida simplesmente para evitar aglomerações. Uma medida técnica, que fique claro”, disse o prefeito. 

Na quinta-feira, a Câmara de Dirigentes Lojista (CDL/BH) solicitou à PBH a ampliação do horário de funcionamento do setor durante o período natalino. 

A ampliação não tem data para terminar. Conforme a PBH, o monitoramento é feito diariamente. 

“Estamos com a cidade aberta. Temos que ter o juízo de não acabar de matar a economia. Não tem nada fechado, o que está proibido é show, Revéillon, aglomeração, coisa para não matar os outros”, completou Kalil.

O prefeito também falou sobre as festas de fim de ano. “Queria avisar para certa parte da população, que aquele cartãozinho de plano de saúde, que principalmente a classe A tem, não é vacina. A turma que tá com plano e caminhonete cabine dupla, antes de fazer festa e farra, que consulte o hospital se tem lugar para internar”.

Além disso:

A volta às aulas presenciais nas escolas de Belo Horizonte começa a ser debatida na próxima segunda-feira. A data para o retorno, porém, segue indefinida. 

“Tivemos várias reuniões e nós todos queremos a volta, mas nos preocupa a transmissão do vírus na comunidade. Temos uma circulação muito importante. Então não podemos falar uma data, mas acredito que nos primeiros meses do ano que vem teremos uma definição de uma possível volta”, disse o secretário de Saúde, Jackson Machado.

Ele também falou sobre decisão pela volta do serviço de self-service, em restaurantes de BH. “A mudança foi tomada a partir de uma constatação de que a utilização de luvas estava servindo como forma de contágio. Então, é muito mais razoável que fique um funcionário borrifando álcool em gel na mão de quem vai servir, do que disponibilizar luva”.

Leia também:
De olho na web: vendas pela internet disparam nesses 15 primeiros dias que antecedem o Natal