Belo Horizonte dá início, nesta segunda-feira (24), à ampliação da flexibilização na cidade com um desafio: manter os números da Covid-19 em patamares aceitáveis. Caso contrário, assim como aconteceu em 29 de junho, o comércio será novamente fechado, mantendo apenas os serviços essenciais.

Até a próxima sexta-feira (28), lojas de rua e shoppings centers poderão abrir as portas das das 11h às 19h, mesmo horário permitido desde 5 de agosto, quando essa etapa foi iniciada. Porém, até a última semana, os atendimentos foram permitidos de quarta a sexta-feira.

Salões de beleza também terão o funcionamento ampliado, de terça a sábado. 

Novidade

A novidade nesta fase flexibilização são os bares, restaurantes e lanchonetes voltando a receber público, desde que protocolos sanitários sejam seguidos à risca, alerta a prefeitura. Esses estabelecimentos somente poderão funcionar para servir almoço, das 11h às 15h, sem venda de bebida alcoólica. As praças de alimentação abrirão uma hora mais tarde, ao meio-dia.

“Estamos permitindo para funcionário não ficar comendo no fundo de loja ou no meio-fio”, destacou o prefeito Alexandre Kalil ao anunciar a ampliação, na última quinta-feira (20).

A recomendação é cautela, evitando aglomerações nas ruas e estabelecimentos. “Então, não é para sair para passear, é para usar máscara e distanciar, e ficar em casa se puder, é muito importante para essa abertura da cidade”, disse o chefe do Executivo, não descartando novamente o fechamento da metrópole se os casos da doença voltarem a subir.

As máscaras, inclusive, continuam obrigatórias e quem for flagrado sem o equipamento de proteção individual poderá pagar multa de R$ 100.

A fiscalização será reforçada. “Temos feito esse trabalho de acompanhamento do comércio”, reforçou o comandante da Guarda Municipal, Rodrigo Prates.