O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), e os integrantes do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 concedem entrevista coletiva, na tarde desta sexta-feira (29), na sede do Executivo municipal. A expectativa é do anúncio de novas regras para o funcionamento do comércio da capital.

Os indicadores que a prefeitura usa para monitorar a pandemia na cidade melhoraram nesta semana e, segundo o Comitê de Enfrentamento à Covid-19 de Belo Horizonte, os números são uma resposta às medidas de isolamento adotadas, como o fechamento do comércio considerado não essencial desde o dia 11.

Mas, este cenário ainda não significa que será possível uma reabertura, porque outras variáveis passaram a ser monitoradas, como a possível circulação de uma variante da Covid-19 na capital. "Assim que concluir esta etapa do trabalho, será feito um mapeamento genético do vírus para avaliar se existe ou não uma nova linhagem/cepa do vírus no Estado", informou a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

O número médio de transmissão por infectado (Rt) em BH está 0,95, abaixo de 1, na chamada “fase verde”, ou seja, menos preocupante. Já a ocupação dos leitos de UTI caiu de 77,4% para 76,4%. Nas enfermarias também  houve queda de 59,8% para 57,2%.

As informações são do boletim epidemiológico desta quinta-feira (28), que traz ainda 87.677 casos confirmados da Covid-19 e 2.224 mortes pela doença.

Kalil também enfrenta a pressão - que vai desde manifestações na porta da prefeitura até a oferta de leitos em hospitais - de representantes de vários setores do comércio que pedem a retomada imediata das atividades econômicas não essenciais na cidade.