O avanço da criminalidade em Minas, comprovado por meio dos dados crescentes da violência no Estado este ano, provocou a busca, fora do país, por mais investimentos na área da segurança pública. Para custear os programas de combate aos crimes e bancar todos os gastos do setor, a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) espera pela chegada de cerca de R$ 160 milhões até o fim do mês. O contrato que prevê a liberação do dinheiro será assinado na próxima sexta-feira (15).
 
De acordo com o secretário de Estado de Defesa Social, Rômulo Ferraz, os gastos com o setor subiram muito, o que inclui aquilo que deve ser aplicado para a prevenção de crimes. “O aumento da violência implica no aumento de investimentos para que ela seja contida. Além disso, o nosso sistema prisional cresceu e temos que ter como suprir essa demanda”, observou o secretário.
 
O último levantamento divulgado pela Seds revela um aumento de 11% no índice de crimes violentos em Minas - que incluem ocorrências de homicídio, roubo, extorsão, sequestro e estupro, entre janeiro e abril deste ano. Até o fim de abril já tinham sido registrados 1.297 homicídios em todo o território mineiro. No mesmo período, o Estado ainda contabilizou 19.470 ocorrências de roubos e extorsões mediante sequestro. De janeiro a abril, houve um aumento de 11,73% nesses tipo de crimes.
 
O dinheiro que vem do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), vai servir justamente para tentar combater essa escalada da violência em Minas. “Parte do recurso vai ser usada para implantação de mais três unidades do Programa Fica Vivo em áreas de alta criminalidade em BH e Contagem”, informou Rômulo Ferraz.
 
As unidades prisionais do Estado também serão alvo de mudanças viabilizadas pelo empréstimo internacional. Estão previstas construções, ampliações e reformas até 2014.
 
Mesmo ciente de que se trata de uma missão árdua e trabalhosa, o secretário garante que os dados da violência já devem apresentar queda a partir do próximo semestre. “Com a certeza de que todos os gastos serão cobertos e que temos sobra para investir, a diminuição é certa”, disse.
 
A veracidade da afirmação do secretário só poderá ser confirmada no segundo semestre, quando é divulgado um balanço da violência em Minas nos seis primeiros meses de 2012. Até lá, o certo é que o dinheiro do empréstimo do BID já estará nos cofres da Seds. Representantes do banco estão essa semana em Belo Horizonte analisando os projetos da Secretaria, um processo apenas burocrático, já que a liberação dos R$ 160 milhões está garantida.