Comerciantes com débitos em pagamentos de água e luz poderão parcelar as contas em até 12 vezes. Além disso, não será preciso dar entrada. A informação foi divulgada nesta terça-feira (20) pelo governador de Minas Romeu Zema (Novo). 

"Após me reunir com diversos setores produtivos nos últimos dias, conseguimos dar uma boa notícia e atender a uma importante demanda", postou Zema, no Twitter.

De acordo com ele, o governo de Minas está "ouvindo e analisando cada sugestão nesse momento tão difícil". Não foi informado até quando a medida terá validade. No mês passado, o chefe do Executivo estadual determinou que as estatais Cemig e Copasa não cortem a energia e a água dos consumidores de baixa renda que não conseguirem pagar as dívidas com essas empresas.

Reunião com comércio

A definição de parcelamento de contas a comerciantes ocorreu após encontro virtual, na manhã desta terça, entre Zema, o presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), desembargador Gilson Lemes, e representantes da CDL/BH, da FCDL/MG, da Fecomércio e da Federaminas.

Na ocasião, Zema declarou que o setor de comércio foi muito afetado pela pandemia e que o governo faz o possível para diminuir o impacto e salvar o máximo de empregos.

"Liberamos um volume recorde de linhas de crédito pelo BDMG. Inclusive, fizemos um aumento de capital no banco, de forma que o crédito direcionado às micro e às pequenas empresas de Minas subiu mais de 400%. Corremos atrás de postergar o pagamento de impostos", disse Zema.

O governador também lembrou que as medidas restritivas impostas pela Onda Roxa foram tomadas em um "momento de extrema necessidade", para restabelecer a capacidade assistencial da rede de Saúde e preservar a vida dos mineiros. Ele também pediu que a reabertura do comércio aconteça de forma consciente, mantendo todos os cuidados sanitários.

Leia mais:
Braga Netto prega união contra iniciativas de desestabilização
Anvisa autoriza uso emergencial de coquetel contra a Covid; não será permitida a venda em farmácias
CNC: Intenção de Consumo das Famílias volta a cair em abril