Comerciantes não devem fornecer nem comercializar nenhuma cerveja produzida pela Backer. A recomendação é do Procon-MG, que se reuniu na tarde desta quinta-feira (16) com representantes da cervejaria. Além disso, os promotores pedem que esses produtos fiquem separados, devidamente identificados e sob a guarda do responsável pelo estabelecimento até a conclusão das investigações.

Em hipótese alguma, segundo o Procon-MG, as cervejas da marca devem ser descartadas, seja no lixo comum ou em qualquer outro local; a Backer vai designar um local apropriado para a destinação desses produtos.

Participaram da reunião representantes da 14ª Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor de BH, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Minas Gerais (Abrasel-MG), a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais e a Secretaria Municipal de Saúde da capital.

O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) afirmou na tarde desta quinta que identificou a presença das substâncias dietilenoglicol e monoetilenoglicol em oito rótulos produzidos em Belo Horizonte, num total de 21 lotes.