Membros do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 em Belo Horizonte se reúnem, mais uma vez, para analisar o atual cenário da pandemia na capital e definir os rumos da flexibilização e reabertura do comércio na cidade. A decisão, que perdura desde quarta-feira (14), pode ser conhecida após reunião marcada para esta sexta (16). 

Desde o último dia 6 de março, apenas serviços essenciais estão autorizados a funcionar no município. A medida, que buscava reduzir o avanço da pandemia da Covid-19, trouxe resultados positivos e, durante o período, a cidade viu índices de transmissão e ocupação de leitos diminuirem, mesmo que de forma lenta. 

Mesmo diante do cenário e após o governador Romeu Zema (Novo) ter anunciado, na manhã de ontem (15), que 70% do Estado vai evoluir da Onda Roxa, a mais restritiva do programa Minas Consciente, para a Vermelha, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) informou que ainda está analisando o cenário para definição dos próximos passos.

Estas melhoras vão pautar a reunião de hoje. O que pesa agora na decisão sobre a reabertura do comércio é a falta de medicamentos para o tratamento de pacientes com a Covid-19.

Segundo dados divulgados no boletim de quinta-feira, a ocupação de leitos de terapia intensiva, que chegou ao colapso, com vagas 100% ocupadas e fila de espera para internação, agora está em 87,2%. No caso dos de enfermaria, a taxa está em 65,4%, em nível de alerta amarelo. 

Já o índice de contágio, que esteve em alerta máximo, voltou a um patamar que indica estabilidade da pandemia: 0,87. O indicador segue em alerta verde e significa que cada grupo de cem pessoas transmite a Covid-19 a outras 87. A capital mineira soma 161.181 casos confirmados da doença 3.814 mortes. 

Cidade fechada

Belo Horizonte decidiu pelo fechamento do comércio e dos serviços considerados não essenciais em 6 de março. Além disso, no dia 23 do mesmo mês, proibiu o funcionamento, aos domingos, de supermercados, padarias, sacolões, lanchonetes, açougues e do Mercado Central.

Com as medidas, bares e restaurantes (exceto para delivery), cinemas, feiras, escolas, lojas de vestuário, academias, eventos e parques não podem funcionar em quaisquer dias da semana como forma de frear o avanço da contaminação por Covid-19.

Vacinação

Até o momento, a primeira dose da vacina contra a Covid-19 já foi aplicada em 451.692 belo-horizontinos. Deste grupo, 138.451 tomaram as duas doses do imunizante.

Segundo o levantamento, 349.778 idosos com 64 anos ou mais já foram imunizados com a primeira dose e 69.952 tomaram a segunda. 

E a partir desta quinta-feira (15), profissionais de saúde cadastrados e com idade entre 43 e 49 anos começaram a ser vacinados nos postos de saúde de Belo Horizonte. Até o momento, 94.909 profissionais de saúde já foram vacinados com a primeira dose e 68.485 com a segunda.

Leia mais:
Minas projeta que mortes por Covid continuem em alta nas próximas semanas
Betim não adere à Onda Vermelha e mantém restrições até 21 de abril
Grande BH avança para a Onda Vermelha do Minas Consciente; confira íntegra do pronunciamento de Zema