Órgãos de defesa do meio ambiente querem que a solução apresentada pela prefeitura de BH para o fim das enchentes na avenida Vilarinho, em Venda Nova, seja discutida com a população. Segundo o Subcomitê da Bacia Hidrográfica do Ribeirão do Onça e o Instituto Guaicuy SOS Rio das Velhas, o volume de água que sairá da região vai impactar o bairro Ribeiro de Abreu, na região Nordeste da capital, onde já há inundações.

As entidades pediram, nessa segunda-feira (11), que o projeto, elaborado voluntariamente por uma empresa de engenharia, não seja licitado. “Existem outras soluções possíveis, temos que discutir”, diz Marcus Vinícius Polignano, presidente do subcomitê. O valor estimado para as obras, de R$ 300 milhões, também foi criticado.

Um estudo sobre a região feito pelos ambientalistas mostra que as enchentes na avenida são provocadas pelo fluxo d’água dos córregos que deságuam no Vilarinho. Diante disso, a sugestão inicial é a correta manutenção de alguns deles, como Lagoinha, Pereira e Nado. 

“Que se faça a avaliação de todos. Eles estão abandonados, viraram depósito de lixo e esgoto e não conseguem cumprir as próprias funções”, afirma Polignano, que é professor da Faculdade de Medicina da UFMG e também preside o Projeto Manuelzão.

Para impedir que um edital com as intervenções seja lançado, o subcomitê informou ter procurado a prefeitura, mas não teria obtido retorno. O próximo passo, segundo Marcus Vinícius Polignano, é levar o assunto para discussão na Câmara Municipal. 

Líder comunitário e à frente do movimento “Eu Vilarinho”, Ricardo Andrade diz que a população do entorno da avenida está insatisfeita com a proposta para acabar com a inundação. “Estamos preocupados com a possível transferência de problema. Mas temos consciência que as pessoas devem colaborar, evitando a deposição de lixo nos leitos”.

Previstas para começar em julho, as obras preveem a construção de dois túneis para desviar a água em excesso do córrego Vilarinho para o Floresta, na nascente do bairro Serra Verde, e ribeirão Isidoro, no Mantiqueira

Estudos

Procurada, a PBH informou que “para a concepção da solução da obra na Vilarinho foram elaborados estudos hidrológicos e hidráulicos que contemplam as bacias do Nado, Vilarinho e Isidoro, balizando assim o projeto proposto”. 

A administração municipal esclareceu que um edital para contratar estudos ambientais para o licenciamento da obra está em andamento. O Executivo informou que irá realizar uma audiência pública.

A proposta para a Vilarinho foi apresentada em 19 de dezembro de 2018, pouco mais de um mês após quatro pessoas morrerem na via durante um temporal na noite de 15 de novembro.

Leia mais:

Estudo critica projeto de obra contra enchentes para a avenida Vilarinho

BH terá calor intenso e pancadas de chuva até quinta-feira

Detector de avanço de sinal começa a funcionar na avenida Vilarinho a partir desta quinta