O Complexo Penitenciário Público Privado (PPP), em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, recebeu, nesta quarta-feira (7), o Festival da Canção Prisional (Festipri 2018). Ao todo, 25 detentos disputaram o troféu de melhor letra, música, originalidade e interpretação. As apresentações foram individuais, em duplas e bandas de vários estilos musicais.

Daniel Camilo, do complexo de Neves, conquistou o primeiro lugar como melhor intérprete. Ele ganhou um vale no valor de R$ 1.200,00 para gravar a música, além de assessoria musical por um ano.

A banda Talentos Além dos Muros, da Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem, ficou em segundo lugar. A terceira colocada foi a dupla sertaneja Alexandre e Elias, do Presídio Inspetor José Martinho Drumond, de Ribeirão das Neves.

Os artistas também receberam troféus. Desta vez, o prêmio levou o nome do delegado Estadeu Costa, idealizador do projeto que morreu em 2010.

Festipri

O festival foi criado para valorizar o talento musical da população carcerária de Minas. O projeto busca ainda trabalhar a autoestima, a responsabilidade, o comprometimento e a criatividade dos presos.

Concorrentes 

Seis unidades prisionais e uma Apac das 1°, 2° e 7° Regiões Integradas de Segurança Pública (Risp's) participararam da competição. São elas: Apac de Itaúna; Complexo Penitenciário Doutor Pio Canedo, em Pará de Minas; Presídio Inspetor José Martinho Drumond e Penitenciária José Maria Alkmin, em Ribeirão das Neves; Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem; Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto, em Belo Horizonte; e as três unidades da PPP.