Em meio às opções para o combate à obesidade, o componente químico que dá a ardência da pimenta – a capsaicina – pode ser o mais novo aliado na batalha. Estudo desenvolvido na UFMG aponta que a substância acelera o metabolismo e inibe o ganho de peso.

Apesar de os testes terem sido realizados em camundongos, a expectativa é a de que os efeitos também sejam comprovados em seres humanos, destaca a pesquisadora Núbia Melo, do Programa de Pós-Graduação em Bioquímica e Imunologia da universidade. 

A alternativa pode ser esperança para os 17% de mineiros que convivem com a obesidade. Em todo o país, conforme o Ministério da Saúde, duas a cada dez pessoas têm a doença metabólica.

pesquisa pimenta obesidade
Agora, Núbia Melo vai testar a capsaicina em células humanas

Foram os índices da enfermidade que motivaram Núbia a buscar soluções para o problema. Iniciados em 2017, os estudos foram concluídos recentemente. “Induzimos o ganho de gordura em 14 ratos para, então, acompanhar os efeitos da capsaicina”. Ela explica que, por ter ação termogênica, o produto aumentou o gasto de energia, mesmo com o corpo dos roedores em repouso.

“Suplementos termogênicos e antioxidantes, como a capsaicina, são indicados para pacientes que não conseguiram perda satisfatória de medida com a prática de atividade física e alimentação balanceada”

(Ana Carolina Duarte, professora do curso de Nutrição das Faculdades Kennedy)

Processo

Todos os animais envolvidos na pesquisa tinham 60% da dieta calórica, mas apenas a metade ingeriu o composto extraído da pimenta. “Eles não perderam nem ganharam massa gorda”, contou. 

De acordo com Núbia Melo, o estudo demonstra, ainda, que o componente pode ser benéfico para diabéticos tipo 2 e para quem tem altos níveis de colesterol e triglicérides. “Melhora os índices glicêmicos e o perfil lipídico do organismo”, frisou. 

Nos próximos quatro anos, a ação da capsaicina será testada em células humanas.

capsaicina

Indicação

Já é possível encontrar o composto em farmácias de manipulação. Porém, a coordenadora da Comissão de Comunicação da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição, Lara Natacci, alerta que, por ainda serem desconhecidos os efeitos no organismo, a indicação precisa de acompanhamento profissional.

A nutricionista Lara Natacci alerta que excesso no consumo de capsaicina é prejudicial. Por elevar o metabolismo, pessoas hipertensas, com dificuldade para dormir e ansiosas correm o risco de terem os problemas agravados

A especialista ressalta que a capsaicina pode ajudar na redução de peso, desde que combinada com dieta balanceada e prática de atividades físicas.

Leia Mais:

Capsaicina potencializa desenvolvimento físico de atletas, aponta pesquisa

Dia mundial chama atenção para o estigma da obesidade

Amamentação reduz em até 50% a chance de diabetes nas mães; também é aliada contra a obesidade

Número de cirurgias bariátricas aumenta 84,73% em sete anos