Os moradores da comunidade de Pinheiros, em Itatiaiuçu, terão um novo canal de atendimento com a mineradora ArcelorMittal a partir desta segunda-feira (18), para receberem informações sobre o andamento das vistorias e as buscas por uma solução definitiva. Na madrugada do dia 8 de fevereiro, 119 pessoas foram retiradas de suas casas e levadas para um hotel por causa do risco de colapso da estrutura de uma das barragens da empresa, que fica a 1,5 quilômetro do povoado. 

Para atender às demandas dos moradores, a ArcelorMittal criou a “Central de Relacionamento com a Comunidade”. Por meio de ligações gratuitas para o número 0800 721 2425, as pessoas da região poderão entrar em contato direto com a empresa, de segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h às 17h. Também foram instalados pontos de atendimento presenciais em Pinheiros e no hotel em Itaúna, onde estão hospedadas as famílias transferidas.

Para amenizar um pouco os impactos na vida dos moradores, uma frota de dez ônibus e três micro-ônibus foram fretados para levar e buscar, diariamente, crianças e adultos a escolas e locais de trabalho.

Segundo a ArcelorMittal, a equipe da empresa “iniciou tratativas para celebrar um Termo de Acordo Preliminar com a comunidade de Pinheiros com o objetivo de resolver questões emergenciais, enquanto uma solução definitiva é estudada. As condições propostas pelo Ministério Público serão avaliadas pelos moradores e pela empresa, que irão se reunir na próxima semana para discutir os pontos do documento.”

Animais
Conforme a mineradora, os animais que ainda permaneciam na área de risco foram retirados na última quarta-feira (13). Eles foram catalogados, estão passando por exames e recebendo tratamento. Bovinos, equinos e suínos foram levados para um haras em Itatiaiuçu. O encaminhamento de felinos também foi realizado, mas a empresa não especificou o local onde foram acolhidos. O encaminhamento de galináceos e cães está em andamento desde quinta-feira (14). Até o momento, foram acolhidos 267 animais. O trabalho é realizado em parceria com a Brigada Animal (equipe vinculada ao Conselho Regional de Veterinária), Defesa Civil e voluntários.