Aliviar a tensão, promover a concentração e aumentar o autoconhecimento. Do tapete de ioga para a sala de aula. Aos poucos, estudantes do ensino fundamental de escolas municipais de Belo Horizonte vão aderindo à prática milenar de relaxamento para colher os frutos na aprendizagem.

A possibilidade vem com o projeto Yoga na Educação: A Arte do Bem Viver, implementado pela prefeitura como parte das atividades da escola integrada na capital mineira.

Incluídas há pouco mais de duas semanas na grade extraclasse de quatro escolas, a atividade tem como objetivo central melhorar, sobretudo, a capacidade de concentração dos estudantes e a convivência em sala de aula.

“A ioga trabalha a harmonização, o equilíbrio e a consciência corporal. Em sala de aula, é uma forma de conter a cultura da violência, trabalhando uma educação mais humanista e tornando os estudantes mais bem relacionados”, detalha a coordenador do projeto, Renata Moreira Ferreira, vice-presidente da Associação Mineira de Yoga (Amyoga). A ideia foi desenvolvida em parceria com a professora Adriana Braga.

BOA ADESÃO

Estudante do 6º ano na Escola Municipal Paulo Mendes Campos, no bairro Floresta, região Leste da capital, Maísa de Souza Carvalho, de 11 anos, é bem direta ao justificar a participação nas aulas de ioga. “Queria ficar mais calma”, disse. Nessa quarta-feira (13), ela e outros seis colegas participaram das atividades com a professora voluntária Maísa Caldeira.

Para ela, os resultados poderão ser percebidos principalmente na melhora da capacidade de concentração. “A ioga privilegia a descon-centração e o relaxamento. Com isso, os alunos passarão a ter mais facilidade para focar a atenção nas aulas e também se sentirão mais relaxados”, explica.

Presentes por enquanto em apenas quatro instituições de ensino da cidade, as aulas são realizadas uma vez por semana, conforme a disponibilidade dos professores voluntários e a grade de atividades cada instituição.

PROJETO

A escola integrada foi implementada em Belo Horizonte há oito anos e tem como objetivo estender o tempo e as oportunidades de aprendizagem a crianças e adolescentes do ensino fundamental. Ao todo, são nove horas diárias de atividades.

“Sabemos que a criança ou adolescente matriculado em escola integrada, que participa de atividades complementares tem um resultado maior e uma melhora na aprendizagem”, explica a coordenação da equipe de Educo-municação e Arte do Programa Escola Integrada da PBH, Telma Rodrigues.

Professora de Psicologia da Educação na Faculdade de Educação (FAE) da UFMG Regina Helena de Freitas Campos aprova a iniciativa. “Acredito que seja uma atividade benéfica, levando-se em conta a reflexão e o desenvolvimento motor e de psicomotricidade”.

Também nos parques

Pelo menos sete parques municipais da capital também aderiram à prática da ioga, oferecida gratuitamente aos frequentadores dos locais. As aulas acontecem sempre aos domingos e são ministradas por professores voluntários . O projeto Yoga Para Todos é uma parceria entre a Fundação de Parques Municipais e a Associação Mineira de Yoga (Amyoga).

Em vigor desde 2012, a ideia do programa é proporcionar a socialização da prática, promover e estimular o intercâmbio entre pessoas e instituições e contribuir para a divulgação da técnica como instrumento de melhoria da qualidade de vida.

A agenda completa, com as datas e os horários das aulas, pode ser obtida no site da prefeitura (clique aqui) ou pelo telefone (31) 3277-5398.