O ex-policial militar Laércio Soares de Melo, de 55 anos, foi preso nessa quinta-feira (12) no bairro Industrial, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, pelos crimes de latrocínio e ocultação de cadáver, cometidos na cidade de Montes Claros, no Norte de Minas, em 2003. Ele estava em casa, onde cumpria prisão domiciliar com uso de tornozeleira por outro assassinato.

Segundo o chefe do 1º Departamento de Polícia Civil em BH, delegado geral Wagner Sales, pelo crime de 2003, ele foi condenado a 31 anos de prisão, sendo a vítima Gilberto Martins. "A motivação era a cobiça dos bens alheios. Laércio Soares de Melo criava uma relação de amizade com a vítima, fazia negócios referentes a veículos e imóveis para conseguir auferir vantagem e, posteriormente, ele 'abatia' a vítima", revelou o delegado.

A outra condenação, de 14 anos de prisão, é referente ao homicídio de Francisco Santos Filho, conhecido como Chiquinho Despachante, em 2009. Nesse caso, o corpo não foi encontrado.

Além das condenações, o preso ainda é investigado em Montes Claros por mais de 20 homicídios, com a forma semelhante de matar as vítimas, quase sempre com tiro na nuca, além das provas materiais e testemunhais, que a PC vem levantando."Ele tem o perfil psicopata. O inquérito policial trouxe esse perfil frio, que não respeita a vida humana", afirmou o delegado. 

Sales também contou que o suspeito chegava a consolar familiares após os crimes. "Após matar as vítimas, oferecia ajuda para localizar as pessoas que estariam, supostamente, desaparecidas, o que demonstra frieza e desrespeito pela vida humana e a dor alheia", afirmou.

A PC conseguiu localizá-lo graças ao compartilhamento de informações entre policiais civis da Delegacia de Crimes Contra a Vida em Montes Claros e a Patrulha Unificada Metropolitana de Apoio (Puma). Em Contagem, ele estava trabalhando com serviços gerais para uma família, desde o início do ano.

Quando foi preso, ainda como PM, cumpriu pena primeiramente no quartel em Montes Claros e depois foi transferido para BH. Agora, como ex-militar, vai ser encaminhado para o Sistema Prisional. 

A reportagem procurou pela Polícia Militar e aguarda retorno.

* Fonte: PCMG

Leia mais:
PM acusado de matar menina Ágatha Félix no Rio de Janeiro vira réu
Governo quer coletar DNA de presos por crimes violentos até 2022