O consultor de seguros Rodrigo de Oliveira Campos, de 26 anos, responsável pelo acidente que resultou em duas mortes na capital, em abril de 2012, vai a júri popular. No entendimento do Ministério Público mineiro, Rodrigo assumiu o risco de provocar as mortes por estar dirigindo em alta velocidade após ter consumido bebidas alcoólicas naquela ocasião. O acidente ocorrido na Rua Jacuí, no bairro Ipiranga, vitimou o cadeirante Alcindo Souza e sua esposa, Maria do Carmos Gomes de Souza. Ambos foram jogados para fora do carro com o impacto da batida, sendo que Alcindo morreu na hora e sua esposa morreu no hospital, 4 dias depois. O filho do casal que estava no veículo também foi jogado para fora e ficou ferido, mas sobreviveu. 
 
Um terceiro veículo ainda foi atingido pelo carro em alta velocidade e feriu a publicitária Izabela Elza Rodrigues Borges, de 27 anos, e o auxiliar de mecânica Francisco Josué de Souza e Silva, de 26. O advogado de defesa de Rodrigo vai recorrer da decisão. Na época, o consultor de seguros ficou preso por 33 dias, mas foi solto depois de pagar a fiança de R$16,6 mil. (*Com TJMG)