O uso de antenas em motocicletas para evitar acidentes com cerol ou linha chilena pode se tornar obrigatório em Belo Horizonte. Um projeto de lei que tramita em primeiro turno na Câmara Municipal (CMBH) prevê a instalação de dois dispositivos em cada veículo. 

De autoria dos vereadores Carlos Henrique (PMN) e Jorge Santos (PRB), o PL631/18 já foi aprovado, em primeiro turno, nas comissões de Legislação e Justiça e desenvolvimento Econômico, Transporte e Sistema Viário. A proposição, agora, passará pelas comissões de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor e de Administração Pública, antes de ser votada em plenário. 

Na argumentação do projeto, os parlamentares dizem que “o dispositivo não poderá ser dobrável, devendo ser fixo ou retrátil”. Caso aprovado, a medida se tornará ítem obrigatório e que será fiscalizado durante vistoria nas motocicletas. “Os agentes das autoridades responsáveis pela fiscalização e procedimento de veículos passarão a multar aqueles que não estiverem com o dispositivo fixo e pronto para responder o que se propõe”, justifica os vereadores. 

A linha chilena e o cerol são dispositivos cortantes utilizados por muitas pessoas para soltar pipa. As linhas são proibidas por lei na capital e podem causar cortes profundos na região do pescoço e as principais vítimas são motociclistas. Denúncias sobre o uso de cerol ou linha chilena podem ser feitas pelo telefone 153.