Pouco mais de um ano após o início da pandemia de Covid-19 no mundo, pesquisadores ainda estudam os efeitos do vírus no organismo. Após meses de análises já se sabe que a doença, tratada inicialmente como uma enfermidade respiratória, afeta o sistema cardiovascular, neurológico e outros órgãos do ser humano.  

No ano passado, cientistas italianos e norte-americanos publicaram um artigo que relaciona as condições implicadas na disfunção erétil e em alterações da saúde sexual e reprodutiva dos homens com o quadro de sintomas da Covid-19, sobretudo em pacientes com desfecho grave da doença.

Em vídeo enviado à TV UFMG, o urologista e professor da Faculdade de Medicina da  Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Augusto Barbosa Reis, comentou as conclusões do artigo.

Segundo o médico, a inflamação iniciada no pulmão pode comprometer os vasos sanguíneos, levar à sua obstrução e causar a formação de coágulos, provocando um quadro conhecido como coagulação intravascular disseminada, que dificulta a oxigenação no tecido pulmonar e no aparelho cardiovascular.

O professor explica ainda que o comprometimento do endotélio, tecido responsável por regular a contração e o relaxamento dos vasos sanguíneos, também tem consequências diretas na função erétil, já que a disfunção ocorre quando o fluxo sanguíneo no pênis é afetado.

O artigo também indica a baixa oxigenação sanguínea causada pelo desenvolvimento de fibroses pulmonares, o desequilíbrio dos níveis de testosterona e o estresse psicológico como fatores que associam o Sars-CoV-2 à impotência masculina.

Confira a análise do tema feita pelo professor:

* Com informações da UFMG