Uma nova ferramenta, desenvolvida por servidores da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), promete ajudar no controle da pandemia do coronavírus em todo o território mineiro, a partir do dia 30 de outubro.

Chamada Painel de Monitoramento de Contatos de Casos Suspeitos e Confirmados de Covid-19 e operada por profissionais da Saúde, ela vai rastrear pessoas que tiveram contato com pacientes positivados ou suspeitos de Covid-19. O objetivo é interromper a cadeia de transmissão da doença, reduzindo o contágio e o número de casos no Estado. 

“O monitoramento de contatos é uma estratégia reconhecidamente eficaz para impedir a propagação da doença, pois identifica, em tempo oportuno, casos e seus contatos, fortalecendo a resposta ao enfrentamento da Covid-19. Aliado à telemedicina, os resultados ficam ainda mais potencializados”, reforça Carlos Eduardo Amaral, secretário de Estado de Saúde.

Os resultados esperados a partir do uso da nova ferramenta são a ampliação de notificações e da investigação de casos, além de aumentar a qualificação dos processos de trabalho em todo o Estado e promover maior integração entre os profissionais da Atenção Primária à Saúde e Vigilância em Saúde nos níveis estadual e municipal.  

No âmbito estadual, a ação será coordenada pelas equipes da Superintendência de Atenção Primária à Saúde, Diretoria de Vigilância e Agravos Transmissíveis à Saúde e Sala de Situação, tanto em nível central quanto regional (contando com as respectivas equipes). 

Os dados epidemiológicos disponibilizados pelos municípios serão compilados pelas equipes estaduais e os indicadores originados serão monitorados, a fim de subsidiar as tomadas de decisões e aprimoramento do planejamento da Rede de Atenção à Saúde (RAS). 

Saúde Digital

O aplicativo Saúde Digital MG é aliado essencial ao funcionamento do Painel de Monitoramento e tem feito o rastreamento da população desde agosto. Esta ação não desvincula o indivíduo do monitoramento pela APS, mas auxilia os profissionais no atendimento diário aos contatos. "Como a Covid-19 pode se espalhar antes que os sintomas ocorram, ou quando nenhum sintoma está presente, as atividades de investigação de casos e rastreamento de contatos devem ser rápidas e completas", informa Janaína Fonseca, diretora de Vigilância e Agravos Transmissíveis à Saúde. 

De acordo com o Protocolo Estadual de Infecção Humana pelo SARS-COV-2, são contatos próximos:

• Pessoa que teve contato físico direto (por exemplo, apertando as mãos);

• Pessoa que tenha tido contato direto desprotegido com secreções infecciosas (por exemplo, gotículas de tosse, contato sem proteção com tecido ou lenços de papel usados e que contenham secreções);

• Pessoa que teve contato frente a frente por 15 minutos ou mais e a uma distância inferior a 1,5 metros, por pelo menos 15 minutos, a partir de dois dias antes do início da doença (ou, para pacientes assintomáticos, dois dias antes da coleta positiva da amostra) até 10 dias após a data de início dos sintomas do caso confirmado;

• Pessoa que esteve em um ambiente fechado (por exemplo, sala de aula, sala de reunião, sala de espera do hospital etc.) por 15 minutos ou mais e a uma distância inferior a 1,5 metros;

• Profissional de saúde ou outra pessoa que cuide diretamente de um caso de Covid-19 ou trabalhadores de laboratório que manipulam amostras de um caso de Covid-19 sem Equipamento de Proteção Individual (EPI) recomendado, ou com uma possível violação do EPI;

• Passageiro de aeronave sentado no raio de dois assentos de distância (em qualquer direção) de um caso confirmado de Covid-19; seus acompanhantes ou cuidadores e os tripulantes que trabalharam na seção da aeronave em que o caso estava sentado.