Em meio a mobilizações de parte dos pais para o retorno das aulas presenciais em Belo Horizonte e o anúncio do Colégio Militar de que o ensino será retomado na próxima segunda-feira (21) na capital, o Estado informou, nesta quinta-feira (17), que as crianças, em geral, têm menor potencial de transmitirem a Covid-19.

Apesar disso, a administração estadual reforçou que o público infantil tem maior dificuldade em cumprir as medidas de prevenção à doença.

De acordo com o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, as crianças têm tendência a desenvolverem quadros mais brandos da enfermidade causada pelo coronavírus, sem apresentação de sintomas ou com sintomas muito leves, com quadros graves classificados como "muito raros". 

"Isso é importante, também, porque, em geral, os quadros mais brandos têm o potencial de transmissão menor do que aqueles quadros muito exuberantes. Isso faz com que, de uma forma geral, as crianças tenham um potencial, então, menor de transmitir, de serem vetores da doença", afirmou Amaral.

Segundo o gestor, os sintomas no público infantil, quando surgem, são semelhantes aos da própria Covid ou a quadros gripais, com febre, tosse, coriza e dificuldade na respiração. 

O grande desafio no trato com as crianças, segundo Amaral, é o engajamento delas com as medidas de prevenção à doença. 

"O que nós temos um pouco mais de dificuldade com as crianças é, realmente, no dia a dia, de forma que elas entendam a importância de ter o distanciamento, de uso de máscaras, da lavagem das mãos, que isso é tanto mais difícil quanto mais nova for a criança", finalizou.