A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da BHTrans ouve, na manhã desta quarta-feira (28), o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Assessoramento, Pesquisa, Perícias, Informações e Congêneres de Minas Gerais (SINTAPPI-MG), Emanuel Bonfante.

Acompanhe ao vivo aqui.

Anteriormente, prestaria depoimento à comissão o empresário Roberto José de Carvalho, do setor de transportes. A oitiva, porém, foi cancelada pela segunda vez, após decisão liminar do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que concedeu ao intimado o direito de não comparecer à reunião. O vereador Gabriel (sem partido), que preside os trabalhos da CPI e assina a convocação do empresário, frisou que "respeita o Estado Democrático de Direito e as decisões do Poder Judiciário, ainda que delas discorde" e informou que a Procuradoria da Câmara Municipal de Belo Horizonte vai tomar medidas para que a Casa se manifeste junto ao STF.

A comissão vai aguardar a decisão de mérito do órgão para, se for o caso, agendar nova data para o depoimento de Roberto José de Carvalho. Desde o dia 7 deste mês, quando o empresário ficou em silêncio diante de 95 perguntas em oitiva na Câmara sobre o transporte de BH, a CPI tenta reconvocá-lo: no último dia 12, uma outra liminar garantiu a ausência do gestor, que havia sido intimado para depor no dia seguinte. Diante disso, o colegiado ouvirá, a partir das 9h30, apenas o presidente do Sintappi. A reunião será no Plenário Helvécio Arantes. 

Projeto de lei para extinguir a BHTrans

O Projeto de Lei (PL) 160/21, que começou a tramitar na última quinta-feira (22) na Câmara Municipal da capital mineira e prevê a criação da Superintendência de Mobilidade do Município de Belo Horizonte (Sumob) e a extinção da BHTrans, empresa que gerencia o transporte e o trânsito na cidade, em até 15 anos, obteve aval da Comissão de Legislação e Justiça (CLJ) nessa terça-feira (27).

Agora, a proposta segue para outras comissões da Casa e, por último, passará pela Orçamento e Finanças Pública. Para ser aprovado, o documento precisa ter pelo menos 2/3 de manifestações favoráveis nos dois turnos de votação.

O projeto foi apresentado pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD) no dia 15 de julho e está atrelado às denúncias feitas sobre irregularidades da empresa, que está sendo investigada pela CPI. Além da extinção da BHTrans e criação da Sumob, a autarquia será vinculada à Secretaria Municipal de Política Urbana (SMPU), que terá autonomia orçamentária, financeira, técnica, funcional, administrativa e poder de polícia. O Fundo de Transportes Urbanos (FTU) passará a se chamar Fundo Municipal de Mobilidade Urbana (FMU) e será gerenciado pela SPMU. 

Caso seja aprovado, o projeto também prevê o bloqueio da entrada de novos funcionários através de concurso público e os cargos existentes serão congelados. Os concursados perderão os benefícios e serão incentivados à demissão voluntária ou aposentadoria. 

Além da pauta relacionada à BHTrans, a comissão também considerou constitucional, legal e regimental o Projeto de Lei 159/2021, de autoria do executivo e que estabelece um programa de auxílio financeiro, de caráter provisório, para famílias em situação de extrema pobreza. Caso entre em vigor, a proposição poderá beneficiar até 300 mil famílias em Belo Horizonte com um subsídio mensal de R$ 100. 

A CPI

Instalada na Câmara Municipal de Belo Horizonte desde 10 de maio, a CPI apresenta questionamentos e “aponta omissão da BHTrans quanto à fiscalização do serviço prestado pelas concessionárias, principalmente durante o contexto pandêmico”. A comissão é presidida pelo vereador Gabriel e tem Reinaldo Gomes (MDB) como relator.

A partir da data de formação, a comissão tem prazo de 120 dias para produzir relatório final e concluir os trabalhos, podendo pedir a prorrogação por mais 60 dias.

Leia mais:
Empresário que se calou na CPI da BHTrans consegue segunda liminar para não comparecer
Pelo menos 340 cidades de Minas não registraram mortes por Covid na última semana, diz pesquisa
Autorização para testagem humana da vacina contra Covid será feita à Anvisa neste mês, diz UFMG