As mortes causadas pelas doenças respiratórias graves em Minas Gerais, neste ano, já superam em 43,4% o número de vítimas de todo o ano de 2011. Especialistas alegam que o aumento de óbitos é resultado da poluição do ar, do frio mais intenso, do crescimento dos incêndios florestais e do clima seco neste período, quadro que favorece a propagação de vírus e bactérias.

Das 132 mortes registradas neste ano em todo o Estado, 27 foram causadas pela gripe suína. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) ainda aguarda resultado de exames de laboratório que vão indicar que tipo de doença respiratória causou a morte de 14 pessoas.

No ano passado, morreram no Estado 92 pessoas, sendo quatro pela H1N1. Balanço do Ministério da Saúde mostra que, neste ano, 1.173 pessoas morreram no Brasil vítimas de doenças respiratórias graves – 334 por causa da gripe suína.
 
Frio favorece contágio

“As mortes causadas pelas doenças respiratórias são maiores nos Estados onde o frio é mais intenso. As pessoas ficam em ambientes fechados, o que aumenta as chances de contágio”, explica a assessora da subsecretaria em Vigilância em Saúde, a médica infectologista Tânia Marcial.

Em São Paulo, este tipo de doença matou 309 pessoas neste ano, sendo 75 vítimas da gripe suína, segundo a médica. Já no estado do Rio de Janeiro, os óbitos pelas doenças respiratórias chegaram a 26.

“No Nordeste, onde é verão quase o ano todo, as mortes em todos os estados causadas pelas doenças respiratórias totalizam 26”, diz Tânia Marcial.

Apesar de não haver uma estatística, Tânia Marcial alerta que a pneumonia bacteriana está entre as principais causas dos óbitos. Evitar ambientes fechados e tomar bastante líquido são alguns cuidados para evitar o contágio.