Um garotinho de 3 anos que estava internado no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII desde o dia 1° deste mês, morreu nessa quinta-feira (9). Ele havia se afogado na piscina de uma pousada em Macacos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, durante o feriado. A família, que está hospedada na pousada após ter sido retirada de casa pela Vale, por causa do risco de rompimento da barragem, confirmou a morte nesta sexta (9). 

Abalada, a mãe do garotinho não quis falar sobre o assunto. Já a Vale, por meio de nota, informou que a empresa está prestando assistência à família. Veja a nota, na íntegra:

"Foi registrado o afogamento de um menino em uma pousada em Nova Lima, Minas Gerais, para onde foi realocada temporariamente parte da comunidade de Macacos.  A Vale lamenta profundamente o ocorrido e informa que prestou imediata assistência à criança. O afogamento ocorreu no dia 1 de maio e, na ocasião, o menino foi socorrido por uma ambulância contratada pela empresa e levado de helicóptero para um hospital, onde recebeu atendimento médico. Ele permaneceu internado até o dia 9 de maio, quando veio a falecer. A empresa continua à disposição da família, prestando assistência no que for necessário".

A Pousada Pico do Sol, onde o menino foi encontrado, também se manifestou por meio de nota, lamentando o ocorrido. Confira:

"A Pousada Pico do Sol lamenta profundamente pela fatalidade ocorrida com a família do menor João Vitor que faleceu nesta última quinta-feira (09/05) em decorrência de um afogamento.

João Vitor estava hospedado juntamente com sua família em nossas instalações em virtude do cumprimento do protocolo de segurança adotado pela empresa Vale que acionou as sirenes de sua barragem em Macacos, na região de São Sebastião das Águas Claras – MG.

O menor estava acompanhado por seus responsáveis no momento do ocorrido e foi devidamente socorrido e encaminhado ao Hospital João XXIII em Belo Horizonte, onde não resistiu.

Em nome de toda a equipe da Pousada Pico do Sol e dos familiares da vítima, solicitamos respeito e solidariedade para que todos possam passar pelo luto e pelos momentos difíceis desta fatalidade".

Um morador da cidade, que preferiu não se identificar, contou que a população está indignada com o ocorrido. "Imagina, sirene tocando, a mãe saindo com as crianças de madrugada, coração disparado. A Vale tirou as famílias que estavam correndo grande risco por estar perto de uma barragem e colocou todo mundo em pousadas. Uma destas pessoas é a mãe do garotinho, que é humilde e tem muitos filhos. Ela precisou sair para trabalhar, já que tem que sustentar a família, e as crianças ficaram na pousada. A casa dela nunca teve piscina e criança é curiosa, naturalmente. O garotinho acabou se afogando e teve lesão cerebral. Coitada dessa mãe, perder um filho na véspera do Dia das Mães", disse. 

Segundo o Corpo de Bombeiros, que atendeu a ocorrência no dia 1º de maio, uma viatura foi enviada por terra e o helicóptero da corporação também foi acionado para socorrer a vítima. Os militares conseguiram reanimar a criança depois de 15 minutos de manobras de ressuscitação e o pequeno foi levado em estado grave para o João XXIII. Mas devido à gravidade da lesão, ele acabou falecendo após passar oito dias internado. 

Procurada, a Polícia Civil informou instaurou um inquérito policial para apurar o caso.

Leia mais:

Operação desta sexta-feira em Brumadinho irá até 2h da madrugada de sábado
Vale entrega estrutura provisória para receber estudantes de escola fechada em Macacos
Negociações individuais em Brumadinho preocupam Ministério Público