A Defesa Civil de Belo Horizonte vistoriou a fábrica de tecidos Ematex, que no último domingo (10) foi consumida por um incêndio, e constatou que a estrutura do imóvel tem "risco iminente de colapso". Isso significa que as paredes que ainda permanecem de pé podem cair.

Além disso, técnicos do órgão reconheceram que a fumaça provocada pelo incêndio é tóxica e, por isso, pode causar intoxicação e trazer prejuízo para saúde de quem a inalou. Durante a vistoria, a Defesa Civil também constatou que o muro que divide a Ematex com a empresa RV Instalação, que fica do lado, também tem risco de tombar.

Por causa dos perigos, a Ematex, que fica no bairro Prado, região Oeste de BH, foi advertida para fazer os reparos necessários o mais rápido possível. "A empresa foi notificada a realizar as ações para mitigar o risco e recuperação em caráter de urgência", informou o órgão, por meio de nota.

Em comunicado nas redes sociais, a Ematex já havia informado que trabalha para planejar a reconstrução e a retomada das atividades da empresa.

Destruição

O fogo começou às 7h48 de domingo (10) e persistiu por mais de 48 horas. As causas do incêndio ainda não foram esclarecidas, mas a Polícia Civil já está investigando o que provocou as chamas. Ainda não é possível falar sobre inquérito, já que não dá para afirmar se houve crime. Caso haja indícios de que a causa do incêndio é criminosa, será instaurado o processo investigatório. 

Sem auto de vistoria

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a Ematex não possuía o Auto de Vistoria (AVCB), documento que certifica que a edificação possui as condições de segurança contra incêndio e pânico, previstas na legislação. 

Leia mais:
Quatro em cada 10 prédios de BH não possuem plano contra fogo
Empresa destruída por incêndio não tinha auto de vistoria; entenda porque o fogo não se apaga
Rescaldo de incêndio interdita Tereza Cristina e complica trânsito na região Oeste de BH