Em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (7), o comandante da Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas, informou que todo o esforço para os trabalhos de demolição da alça do viaduto "Batalha dos Guararapes" visa liberar a via devido ao "prejuízo social" do local interditado.  Ele descartou a possibilidade de liberar o trecho até esta terça-feira (8), quando acontece a partida entre Brasil e Alemanha pelas semifinais da Copa do Mundo. "Não há nenhum compromisso para terminar os trabalhos visando o jogo no Mineirão", disse.
 
Segundo ele, os trabalhos levam em conta a preservação da área a ser periciada, próxima a um dos pilares, e a segurança dos operários e moradores da região. "Nosso prazo é de 48 horas a partir do início dos trabalhos". Porém, o andamento da demolição e a medição de possíveis movimentações de solo ou na outra alça do viaduto podem interfir no prazo. Além disso, terminados os trabalhos de demolição serão necessárias intervenções no pavimento da pista, que também foi danificado. 
 
Segurança 
 
Técnicos do Ministério Público do Trabalho estiveram no local para verificar as condições e até o momento, segundo a Defesa Civil, não foram detectados problemas. Ainda conforme o coronel Alexandre Lucas, uma comissão formada por moradores dos dois condomínios próximos ao viaduto - Antares e Savana - está em contato constante com o órgão.
 
Os moradores têm acesso ao posto de comando que foi montado para dar suporte no local e uma equipe da Defesa Civil está nos condomínios acompanhando os trabalhos dentro dos prédios. Segundo ele, se for preciso um plano emergencial para retirada das famílias, ele está pronto para ser usado. "Até o momento não há a menor possibilidade de que isso aconteça. Mas, se preciso, temos um plano de remoção", afirmou.
 
Polícia Civil prossegue com perícia
 
A Polícia Civil informou, por meio de nota, que, mesmo com o início da demolição do viaduto, o Instituto de Criminalística da Polícia Civil continua realizadno trabalhos de perícia do local, considerando que cada movimentação dos escombros pode facilitar a coleta de informações fundamentais para elaboração do laudo final dos peritos, o que fará parte do inquérito policial.
 
Ainda de acordo com informações da nota, a área de demolição corresponde à parte que obstruiu as duas pistas da avenida, e será liberada pela Defesa Civil Municipal. Será preservado um raio de aproximadamente dez metros no entorno do pilar central, onde serão realizados exames periciais específicos para verificar a situação em que se encontra a fundação dessa parte da construção. O Instituto de Criminalística também acompanha os trabalhos de remoção, com o objetivo de colaborar com a Defesa Civil Municipal.
 
O delegado Hugo e Silva, titular da 3ª Delegacia Regional de Venda Nova, é o responsável pelo inquérito policial que analisa a queda do viaduto "Batalha dos Guararapes". Até o momento, já foram ouvidas vinte pessoas, entre vítimas, testemunhas, engenheiros e operários da empresa responsável pela obra. Estão previstos outros depoimentos para os próximos dias. O delegado aguarda também os laudos dos exames do corpo de delito das vítimas, produzidos pelo Instituto de Medicina Legal, que serão anexados aos autos.