Moradores de Barão de Cocais, na Região Central de Minas Gerais, levaram 32 minutos para concluir o simulado de rotas de fuga para situações de emergências, na tarde desta segunda-feira (25). 

De acordo com a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, todo o planejamento das reuniões foi executado dentro do prazo. A primeira pessoa a chegar ao ponto de encontro levou apenas dois minutos e a que demorou mais tempo acessou o local em 10 minutos. “O tempo que nós temos é de 1h12 e nós conseguimos toda evacuação num prazo muito menor que o esperado e isso demonstra total eficiência do plano. Foi um sucesso o simulado e vamos manter o que deu certo e melhorar o que deu errado”, explica Flávio Godinho, porta-voz do órgão.

Mas, de acordo com o coronel, alguns ajustes precisam ser feitos. “Em dois bairros da cidade os moradores reclamaram que o som dos carros estava muito baixo e temos que ampliar esse som”, enfatiza Godinho.

O simulado envolveu cerca de 3.626 mil pessoas que podem ser atingidas numa situação real de colapso da barragem Sul Superior, na mina Gongo Coco. Na sexta-feira (22), a estrutura passou para o nível 3, que é de alerta máximo para risco de rompimento e, por volta das 21h30, as sirenes foram acionadas na cidade. 

No dia 8 de fevereiro 452 moradores da zona de autossalvamento já haviam sido retirados de suas casas. “A prioridade é salvar vidas, nesse primeiro momento não devemos nos preocupar com o patrimônio e sim que as pessoas se desloquem para as áreas de salvamento”, diz Godinho.

Conforme a Defesa Civil, 652 pessoas trabalharam diretamente no simulado desta segunda, que envolveu ainda 24 viaturas da PM e oito do Corpo de Bombeiros, 10 ambulâncias, duas aeronaves, 21 profissionais de psicologia e 14 de veterinária e de biologia. A MG-129 precisou ficar interditada para que nenhum veículo entrasse na cidade. 

26 pessoas foram atendidas na área de saúde dos pontos de encontro definidos no simulado.  Ao longo da atividade, três pessoas ainda precisaram ser encaminhadas para hospitais, uma por hipoglicemia, outra por mal súbito e uma terceira por queda de motocicleta.

O evacuação terminou às 16h32 e, a partir desta terça-feira (26), o treinamento entra numa nova fase, onde a Defesa Civil vai realizar uma busca ativa nas casas para fazer a certificação das pessoas. “As pessoas que infelizmente não participaram devem buscar informações na PM, bombeiros, ou na Defesa Civil, porque esta foi uma oportunidade ímpar para elas conhecerem as rotas de fuga da cidade”, explica o coronel.

Ainda de acordo com o coronel Godinho, 46 pessoas com algum tipo de deficiência e que precisam de cuidados especiais foram cadastradas na cidade e serão acomodadas em hotéis.

Os próximos simulados vão ser realizados em Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo, na região Central do Estado. E, a partir de agora, essa força-tarefa permanece em Barão de Cocais 24 horas por dia enquanto a barragem permanecer no nível 3.

A barragem Sul Superior está entre as dez que a Vale pretende eliminar. Ela foi construída pelo método de alteamento a montante e a produção de minério de ferro da mina está paralisada desde abril de 2016, segundo a mineradora. A Estrutura tem cerca de 4,8 milhões de m³ de rejeitos.

Leia mais:
Justiça acata pedido do MPMG e determina que Vale garanta segurança da barragem de Barão de Cocais
Juíza suspende expediente em fórum de Barão de Cocais, após risco de rompimento de barragem