Além de informar, a campanha do Outubro Rosa tem como finalidade promover exames, muitos deles gratuitos. A ação, que acontece em todo o mundo, visa a diagnosticar precocemente a neoplasia que atinge as mamas.

“É importante falar sobre educação em saúde. A conscientização é crucial, uma vez que o câncer de mama pode atingir mulheres e homens”, reforça Débora Cristine Gomes Pinto, coordenadora do curso de Enfermagem das Faculdades Kennedy. 

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), 1% dos casos ocorre em pessoas do sexo masculino. “Por isso, é importante ressaltar e pedir que todos se toquem, façam o autoexame durante o banho, por exemplo. Veja se há algum nódulo. Não demora nem cinco minutos. Precisamos educar a população”, acrescenta a docente.

Força

A determinação do paciente para enfrentar a doença também é fundamental. É o caso da analista de sistemas Jordanete Ribeiro, de 52 anos. O resultado de uma biópsia abalou o emocional dela, em 2016. O diagnóstico positivo para o câncer de mama fez com que se enchesse de fé para superar o seu maior desafio.

Com apoio dos dois filhos e do marido, que perdeu a visão na mesma época, encarou a situação. “Entrava no bloco cirúrgico, colocava tudo nas mãos de Deus e dos médicos”, comenta. “Além disso, passava um ‘batonzão’, ia sorrindo”, brinca Jordanete. 

Vaidosa, ela integra o projeto “Poderosas”, mostra fotográfica criada por Alexandre Rust. Desde 2016, 83 mulheres foram clicadas por ele. “Tive muitas pessoas próximas que passaram por doenças semelhantes. Por isso, o que pretendo com a exposição (que neste mês está nas Faculdades Promove) é incentivar para o cuidado próprio”, ressaltou.

Leia Mais:

Diagnóstico durante Outubro Rosa ajudou mulheres a vencer o câncer de mama