As macrorregiões de saúde Centro-Sul, com cidades como Barbacena e Congonhas, e Oeste, com municípios como Divinópolis e Itaúna, poderão avançar da onda amarela (intermediária) para a onda verde (mais ampla) do Minas Consciente, programa de retomada da atividade econômica, neste sábado (19). Entre as atividades que podem abrir na nova classificação, estão bares com música ao vivo, feiras, parques e cinemas. 

O anúncio foi feito nesta quinta-feira (17) pelo governo de Minas. Como as macrorregiões Norte e Triângulo do Sul se mantiveram na onda verde, o Estado passa a ter quatro grandes grupos de cidades com maior flexibilização de funcionamento de estabelecimentos.

Todas as aberturas, porém, precisam respeitar os protocolos estipulados pelo Minas Consciente, o que inclui padrões de distanciamento social e práticas de higienização.

De acordo com o governo, o avanço ou retrocesso de ondas no Minas Consciente é avaliado semanalmente e tem como critérios a análise de índices, como incidência de casos e ocupação de leitos. Nesta semana, nenhuma das 14 macrorregiões do Estado precisará regredir nas ondas do plano.

Onda amarela

Outros avanços deliberados nesta semana são a ida das macrorregiões Triângulo do Norte e Noroeste da onda vermelha (mais restritiva) para a onda amarela. Nesse nível, há permissão para o funcionamento de serviços como bares com consumo no local, autoescolas, salões de beleza e comércios de roupas e calçados.

Ao todo, nove macrorregiões de Saúde integram a onda amarela. São elas: Sul, Sudeste, Centro, Jequitinhonha, Leste, Leste do Sul, Vale do Aço, Triângulo do Norte e Noroeste.

Balanço do programa

De acordo com o subsecretário de Desenvolvimento Regional da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), Douglas Cabido, 75% dos municípios mineiros fizeram a adesão ao Minas Consciente, o que representa 636 cidades. 

"Isso mostra que a flexibilização vem em um bom ritmo, mostrando que os indicadores de saúde vem permitindo a retomada das atividades econômicas de um modo seguro", informou.

Cabibo explicou, ainda, que as microrregiões de Uberlândia e Araguari, que fazem parte da macrorregião Triângulo do Norte, vivem uma especificidade prevista pelo programa.

Segundo ele, a macro Triângulo do Norte avançou para a onda amarela (intermediária), mas os municípios pertencentes às microrregiões de Uberlândia e Araguari estão na onda vermelha, que é mais restritiva.

"Como estamos avançando [na Triângulo do Norte] para a onda amarela, caberá ao gestor público municipal a tomada de decisão. Se opta pelo caminho da micro ou pela macrorregião", afirmou.

Em outra ocasião, o governo de Minas já sinalizou que a definição é de responsabilidade do município, mas que o Estado recomenda sempre a adoção da onda mais restritiva, por questão de segurança.

Por fim, Cabido informou que Minas tem, nesta semana, 431 municípios que se encaixam na regra de contarem com até 30 mil habitantes e terem até 50 casos de Covid para cada 1 mil habitantes e, portanto, podem seguir para a onda amarela. A definição de adoção, novamente, fica a critério do gestor do município.