Duas pessoas foram presas em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, por suspeita de usarem nomes de laranjas em um esquema de uso ilícito de máquinas de cartão de crédito e débito na capital. Os presos fariam parte de um esquema de sonegação fiscal que teria lesado os cofres públicos em, pelo menos, R$ 5 milhões.

A operação recebeu o nome de Queda Livre. A força-tarefa, composta pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Polícia Civil e Secretaria de Estado de Fazenda, também cumpriu, nessa quarta-feira (10), dois mandados de busca e apreensão.

De acordo com o MPMG, o esquema foi descoberto após autuação fiscal em uma dessas empresas envolvidas no esquema. Foram descobertas dezenas de procurações utilizadas pelos investigados para movimentação de contas correntes de terceiros.

De acordo com a investigação, os laranjas eram pessoas com baixa instrução e pouca renda, que emprestavam seus nomes em troca de alguma compensação financeira.

Os presos foram levados para dois presídios da Grande BH e serão ouvidos no Ministério Público em Contagem sobre o caso.