Com promessas de oportunidades em grandes clubes, o treinador e dono de uma escolinha de futebol em Diamantina, no Vale do Jequitinhonha, é suspeito de estuprar pelo menos seis meninos com idades entre 10 e 13 anos. As vítimas são recentes. Porém, após prisão do homem de 34 anos, a polícia já recebeu denúncias de casos mais antigos envolvendo o treinador, inclusive de vítimas que foram abusadas por ele há cerca de 10 anos.

O homem foi preso na última quinta-feira (8) e não negou o crime. A Polícia Civil começou a investigar o caso após a denúncia de um dos adolescentes violentados, que "não apenas narrou os fatos, como também apresentou provas explícitas do que aconteceu com ele", conforme conta a delegada responsável pelo caso, Kiria Silva Orlandi.

"Com a nossa experiência nestes casos, sabemos que sempre há outras vítimas, por isso já pedimos a prisão dele na quinta feira. E aí foram chegando novos relatos, novas vítimas, e acredito que mais casos ainda devem aparecer", revela.

Na ocasião, a polícia também apreendeu duas CPUs de computadores, três pen drives e dois celulares na casa do investigado. Já que, nestes casos, é padrão que o criminoso tenha mídias com conteúdo pornográfico envolvendo crianças.

Nesta terça-feira (13) já foram ouvidas duas vítimas e na quarta (14) serão ouvidas mais duas.

Trabalho social e boa reputação

O empresário era respeitado na cidade, principalmente por realizar um trabalho social por meio de seu negócio. Na sua escolinha de futebol ele atendia muitas crianças e adolescentes carentes. Segundo a delegada, isso também contribuía para que as vítimas evitassem falar sobre os abusos.

"Elas tinham medo de o expôr e ninguém dar crédito a elas. E depois da prisão dele, chegaram casos mais antigos, de pessoas mais velhas que só tiveram coragem de expor o abuso agora. Para se ter uma ideia, ouvimos vítimas de 10 anos atrás. Neste tipo de crime, quanto mais o tempo passa, mais a pessoa tem medo de que não acreditem em sua história", conta Orlandi.

Como agia

Para cometer os estupros, o empresário atraía as vítimas dizendo que elas precisavam treinar mais para melhorar o condicionamento físico, para ficarem melhores e terem oportunidades em grandes clubes de futebol e, assim, as convocava para treinos individuais.

As penas somadas para estes crimes de estupro, estupro de vulnerável e armazenamento de material pornográfico envolvendo menores podem ultrapassar os 30 anos de prisão. Esta estimativa é baseada somente nas seis vítimas que já apareceram, mas a delegada espera encontrar mais alunos que foram abusados pelo empresário.

"Provavelmente surgirão outras vítimas, porque nestes depoimentos uma criança acaba indicando a outra já que o modus operandi é o mesmo. Elas devem apontar, por exemplo, quais colegas também faziam treinos individuais com ele", conta.

A orientação da delegada é que os pais fiquem atentos a possíveis mudanças no comportamento dos filhos. "Em quase todos esses casos, por exemplo, a vítima que adorava ir na escolhinha, que sempre queria chegar no horário, que adorava futebol, de repente não queria ir mais às aulas, ou começava a dar desculpas para faltar", conclui.