Duas advogadas foram presas em uma operação conjunta das polícias civis de Minas Gerais e Espírito Santo, deflagrada nesta sexta-feira (23). A ação, realizada no estado vizinho após intercâmbio de informações entre as corporações, visava investigar o tráfico de drogas. Outros dois advogados suspeitos se encontram foragidos.

O cumprimento dos mandados foi acompanhado pela Comissão de Defesa das Prerrogativas, da Ordem dos Advogados do Brasil no Espírito Santo, de acordo com a PCMG. Mas em nota oficial publicada no site da entidade, a OAB-ES afirmou que considera as prisões ilegais, pois só foi avisada quando as operações já estavam em curso.

Segundo a polícia mineira, os suspeitos estariam comandando um esquema de tráfico de drogas na região da Zona da Mata e no estado vizinho. Os advogados são suspeitos de serem responsáveis por coletar e por transmitir recados escritos ou ditados pelos presos com conteúdo criminoso.

As investigações se iniciaram há dez meses e 30 pessoas já teriam sido detidas, de acordo com a PCMG. Dois carregamentos de maconha (com quase meia tonelada da droga) foram apreendidos durante os trabalhos. Os entorpecentes teriam origem no estado de São Paulo.