Durante o período de quarentena, muitas igrejas evangélicas têm recorrido à tecnologia para levar as palavras de fé aos seus fiéis. Cultos on-line são divulgados nas redes sociais e as portas estão abertas para atendimentos sem aglomeração, cumprindo as determinações de decretos municipais e estaduais que vigoram desde o dia 20 de março.

Na Assembleia de Deus, maior igreja pentecostal do país, apenas diretores e poucos funcionários estão atuando nas unidades. Estão sendo realizados cultos on-line neste momento, mas a igreja entende que isso não substitui completamente os encontros presenciais entre pastores e fiéis.

“Está todo mundo na expectativa da liberação dos R$ 600 de renda emergencial, mas muitas dessas pessoas não têm conta bancária ou aplicativo no celular. Com a igreja acontece o mesmo. Temos muitos fiéis sem acesso à internet, especialmente entre os idosos”, conta o pastor João Carlos Ferreira de Oliveira, que faz parte da direção da Assembleia de Deus de Belo Horizonte.

A igreja, que tem cerca de 47 mil fiéis na capital mineira, já registrou uma grande perda nesse momento de avanço do novo coronavírus em Belo Horizonte. O pastor José Bento Gondim, de 82 anos, morreu no último fim de semana depois de ter contraído a doença.

Mas o pastor João Carlos garante que ele não teve contato com fiéis nas últimas semanas. “Ele já estava muito debilitado, estava recluso e não ia mais à igreja”, explica.

Pastor João Carlos contou ainda que não há qualquer previsão para que as igrejas da Assembleia de Deus voltem a receber seus fiéis, mas lembra que a situação financeira fica complicada durante a quarentena. “A igreja tem suas obrigações sociais, compromissos financeiros e funcionários. Ela vive de ofertas e dízimos, mas o povo neste momento está sofrendo com desemprego e isolamento social. Estamos muito preocupados, mas temos fé em Jesus, dele virá a nossa vitória”, afirma.

Apesar da permissão

Em Belo Horizonte, existem 72 igrejas e 11 congregações ligadas à religião Batista. Cada unidade tem se programado para realizar cultos on-line pela internet, mantendo vínculos com a comunidade atendida.

“Apesar da permissão para a realização de cultos presenciais, desde que observados os critérios e recomendações do ministério da saúde, a grande maioria está realizando seus cultos e reuniões on-line”, informou a comunicação da Convenção Batista. Não há prazo para que os cultos presenciais sejam retomados.

O decreto municipal que entrou em vigor no dia 20 de março não proíbe as reuniões presenciais em igrejas, mas o prefeito Alexandre Kalil entrou em contato com líderes religiosos de Belo Horizonte para convencer a todos a importância do engajamento no enfrentamento à pandemia.

A igreja Universal do Reino de Deus, que tem em Belo Horizonte seu segundo maior templo no país, também tem feito várias transmissões pelo Facebook ao longo do dia de cultos virtuais.

O Facebook também tem sido fundamental ferramenta para a Igreja Metodista, que tem transmitidos cultos, reflexões, orações. Além disso, pela internet, a igreja tem promovido bate-papos e ensino da escola dominical.