O comandante-geral da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), coronel Helbert Figueiró de Lourdes, condenou a ação de representantes de policiais militares no Palácio da Liberdade, na última quarta-feira (6). As críticas acontecerem durante as comemorações do aniversário de 243 anos da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), nesta sexta-feira (8), na Academia da PM, localizada no Prado, região Oeste de BH. 

“Alguns representantes da nossa classe promoveram ato que, infelizmente, nos deixou perplexos, nos deixou, de certa forma, envergonhados perante a sociedade, porque não são atos que se alinham com os valores da classe", criticou o coronel Lourdes.

Ainda segundo o comandante, o Estado e o país passam por um momento difícil. "Felizmente, com o fruto do nosso trabalho, nós temos conseguido o apoio do nosso governo. As reiteradas demandas que levamos ao governador são acolhidas por ele com muita receptividade, exatamente porque a gente tem algo a levar como resultado”, finalizou o coronel.

Na última quarta-feira (6), servidores da área de Segurança Pública ocuparam os jardins externos do Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, sede do governo de Minas Gerais. Segundo os organizadores do protesto, cerca de três mil pessoas, incluindo policiais militares e civis, bombeiros e agentes penitenciários e socioeducativos estavam no momento em que os manifestantes romperam os portões em frente à Praça da Liberdade, em Belo Horizonte.

A desocupação ocorreu após determinação da Justiça, durante a noite de quarta-feira. A ordem judicial determinava que, caso o local não fosse liberado voluntariamente, uma multa de R$ 50 mil, por hora, seria cobrada dos sindicatos e lideranças. 

Aniversário da PM

Durante a solenidade, que contou também com a presença do governador Fernando Pimentel e várias autoridades, foi entregue a Medalha Alferes Tiradentes (patrono da corporação), que neste ano homenageou 133 personalidades e entidades que prestam serviços relevantes à corporação.

Em seu discurso, o governador ressaltou que a corporação está preparada para garantir a segurança, mesmo em momentos difíceis, quando Minas é alvo organizações criminosas. “Mesmo agora, quando temos sido alvo de ataques covardes e insidiosos de uma organização criminosa forasteira que se insurge contra a exemplar disciplina carcerária mantida em Minas Gerais, a mobilização e a pronta resposta da Polícia Militar deixam claro que aqui, neste Estado, não transigimos e nem titubeamos quando se trata de combater o crime, organizado ou não, e defender a paz em nosso território”, afirmou.

Ainda de com Pimentel, o Estado não permitirá que se crie um ambiente de insegurança e terror. “Frente à ação malévola desses indivíduos, atacando equipamentos públicos de transportes, bancos e até mesmo repartições de segurança de Minas Gerais, a população em peso e unida apoia o trabalho da nossa PM e brada junto com ela: aqui não! Aqui não permitiremos isso”, disse. 

História da PMMG

A PMMG é a instituição policial mais antiga do Brasil. Teve sua origem em 9 de junho de 1775, no Regimento Regular de Cavalaria de Minas, em Ouro Preto, então capital da Capitania de Minas Gerais. A corporação conta com efetivo aproximado de 42 mil integrantes e uma frota de cerca de 11 mil viaturas, sete helicópteros e dois aviões.

É o único órgão do governo estadual presente em todos os 853 municípios. A PMMG está organizada em 19 regiões, um comando de policiamento especializado e 67 batalhões operacionais que executam o policiamento ostensivo geral, além de contar com diversas unidades especializadas, responsáveis pela repressão qualificada. Essas atividades demandam treinamento específico, com radiopatrulhamento aéreo, meio ambiente, trânsito urbano e rodoviário, entre outras.