Durante a reunião, realizada na manhã desta segunda-feira (7) com pais de alunos no Colégio Magnum, no bairro Cidade Nova, região Nordeste se Belo Horizonte, mais pai relatou que o filho também apresentou indícios de ter sido abusado pelo auxiliar de educação física que é suspeito de estuprar um menino de 3 anos. A reunião precisou ser encerrada após uma mãe passar mal e ser retirada de cadeira de rodas. 

O Hoje em Dia conversou com a comerciante Rosiane Pinto, de 45 anos, que participou do encontro na escola. Ela tem uma filha de 4 anos que estuda na instituição e que também convivia com o suspeito.

"Teve um pai que questionou o filho e, parece, que tem suspeita sim de outro abuso. Teve inclusive uma mãe que passou mal e a reunião foi suspensa. Houve muita comoção, estamos todos assustados, preocupados", conta.

Questionada pela mãe sobre quem a levava no banheiro, a filha da comerciante respondeu que era uma funcionária, monitora, quem fazia isso, inclusive com os meninos da sala. "A primeira medida a ser adotada pelo colégios vai ser colocar monitores em todos os banheiros da escola, dois funcionários em cada. Além disso estão dando apoio, tinha uma psicóloga na reunião", lembra. 

A comerciante defendeu que a escola está tentando resolver o assunto, mas que isso não é fácil. "A gente tem que ter consciência de que isso pode acontecer em qualquer lugar e que não se resolve se colocar câmeras, espalhar monitores", completou Rosiane.

PC já investiga dois casos 

Após a primeira denúncia de abuso sexual vir à tona, no sábado (5),  a mãe de mais um aluno da instituição procurou a Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) para relatar que o filho também teria sido vítima do suspeito, um auxiliar de educação física de 25 anos. A mulher foi até a delegacia na noite de domingo (6). 

Já nesta segunda, a Polícia Civil (PC) divulgou uma nota à imprensa em que informa que as investigações sobre as denúncias de estupro de vulneráveis na instituição de ensino já estão em andamento.

"A Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente realiza várias diligências para coleta de dados, procedendo com escutas especializadas realizadas por psicólogos, como o caso requer, visando o esclarecimento total para remessa à Justiça.  A delegada responsável pelo caso, Thais Degani, lembra que inquéritos policiais que envolvem menores de 18 anos devem ser mantidos em sigilo", ponderou a instituição. 

Em entrevista ao Hoje em Dia, o suspeito afrimou que é inocente e pediu para que as pessoas não façam julgamentos sem provas. De acordo com o estudante de educação física, desde que as denúncias vieram à tona ele deixou de frequentar as aulas na faculdade, teve que apagar as contas nas redes sociais e vem vivendo com medo, já que algumas ameaças foram recebidas. "A minha vida agora está complicada. Chegaram coisas como: 'não saia na rua' e 'você vai pagar por tudo o que fez'. Eu não sabia de casos como esse, mas meus advogados me mostraram o que aconteceu na Escola Base e até de um rapaz que foi assassinado sem ter nada a ver com uma denúncia de abuso. Vendo esses fatos e, por eu estar sendo acusado, fica esse medo, né?", revela.  

Leia mais
Polícia investiga suspeita de estupro contra segunda criança dentro do Colégio Magnum

Suspeito de cometer abuso contra aluno do Colégio Magnum trabalhava há pelo menos 2 anos na escola

Pais de menino de 3 anos suspeitam que abusos tenham começado há cerca de 5 meses no Colégio Magnum