Falsas convocações para mesariado nas eleições de 2018 enviadas por e-mail podem roubar dados do computador e smartphones. O alerta é da Justiça Eleitoral, que recomenda apagar as mensagens mesmo antes de visualizá-las.

De acordo com o órgão, os e-mails pedem ao eleitor que imprima documentos, como o protocolo de intimação e o manual do mesário. No entanto, esses arquivos enganam o usuário e podem ser uma forma de transmissão de vírus para computador. 

Desde julho deste ano a Justiça Eleitoral testa um projeto de convocação para mesários a partir do e-mail. O piloto, porém, roda para parte dos mesários de algumas zonas eleitorais de Minas e não contêm links ou anexos. Por isso, alguns eleitores podem fazer confusão entre o projeto verídico e o falso. 

Convocação correta
Na dúvida, cheque. Essa é a orientação da Justiça Eleitoral. O eleitor chamado a trabalhar como mesário nas eleições pode averiguar a veracidade da convocação por meio do site do TRE, local em que deverá digitar o código de autenticação constante no e-mail recebido. Dessa forma, o chamamento será validado. 

Outras formas de validação da informação é o contato com o Disque-Eleitor (148) ou por carta simples. Nessa última, a Justiça Eleitoral reforça a necessidade de confirmação pelo site ou telefone. 

Mesariado
Em Belo Horizonte, 16 das 18 zonas eleitorais já estão utilizando a convocação por e-mail ou por carta simples. A mensagem eletrônica é usada nos casos em que o e-mail dos mesários está atualizado no cadastro. 

Alguns cartórios eleitorais do interior também confirmaram a utilização da nova forma de convocação de mesários, pelo menos para parte dos eleitores. É o caso de Contagem e Divinópolis, na região metropolitana da capital, além de Montes Claros, no Norte de Minas, e Além Paraíba, na Zona da Mata.

Para o primeiro turno das Eleições 2018, estima-se que serão necessários 190 mil mesários em todo o Estado para atuarem perante as mesas receptoras de votos nas zonas eleitorais.