Os espaços de estudo presencial e o setor de Obras Raras da Biblioteca Central (BC), da UFMG, no campus Pampulha, serão reabertos nesta segunda-feira (18), após ficarem mais de um ano fechados em virtude da pandemia da Covid-19. Os interessados já podem agendar o uso desses ambientes. 

O sistema de agendamento deve ser acessado via login e senha do 'Minha UFMG'. Logo em seguida, deve-se clicar em ‘registrar’, para preencher o formulário de cadastro.

Na página inicial do site de agendamento, o usuário verá duas alternativas: acesso aos espaços de estudo ou reserva de obras para consulta do acervo da Divisão de Coleções Especiais e Obras Raras. As duas opções podem ser agendadas apenas para segunda-feira, das 8h às 12h, e para quartas-feira, das 14h às 18h.

Nos espaços de estudo da Biblioteca Central, serão disponibilizadas 80 vagas por dia, destinadas apenas a estudo individual. Além do distanciamento das mesas, frascos de álcool em gel serão disponibilizados em todos os ambientes. Na portaria da Biblioteca Central, um totem aferirá a temperatura dos usuários.

Empréstimos e devoluções

O empréstimo de livros continuará a ser feito apenas mediante agendamento no catálogo on-line. Após clicar no título da obra de interesse, o usuário precisa apenas escolher a opção 'solicitação de empréstimo', que aparecerá no canto inferior direito da tela. O usuário terá de preencher sua senha (a mesma usada nas bibliotecas) e os dados para contato (e-mail e telefone atualizados). Depois disso, é só clicar em 'confirmar'. A biblioteca será notificada sobre a requisição do usuário e entrará em contato, via e-mail, para agendamento da data e do horário para retirada do empréstimo.

A renovação dos itens emprestados continua sendo feita de forma automática. Mesmo assim, caso queira devolver um livro, o usuário também deve agendar o procedimento, enviando um e-mail para a biblioteca do interesse.

Leia mais:
Escolas de BH não precisam manter revezamento entre alunos a partir desta segunda
'Imortal' recém-empossada, Maria Antonieta Cunha quer incentivar literatura infantojuvenil