Belo Horizonte bateu o próprio recorde de pessoas com Covid ao mesmo tempo, e a situação deve piorar. A análise foi feita pela prefeitura, que divulgou na noite desta quarta-feira uma nota sobre o avanço do coronavírus na cidade.

Na terça-feira (19), a taxa de incidência da doença chegou a 442,3 novos casos por 100 mil habitantes na cidade, no acumulado dos últimos 14 dias. O dado é 58,0% mais alto que o pico ocorrido em julho - 280 novos casos a cada 100 mil habitantes.

Em relação aos últimos 30 dias, a incidência na cidade cresceu 214,6% e, nos últimos 60 dias, 320,0%.

Segundo a PBH, a taxa de reprodução continua acima de 1 (1,03 em 19/01), indicando que o atual patamar de casos continuará a crescer. O impacto dessa dinâmica sobre as solicitações de internação é direto, mantendo o crescimento no número de casos graves que exigem algum tipo de internação, que seguem no nível vermelho (registrou 81,7% nesta terça-feira). “Em nenhum momento da pandemia foram registradas tantas pessoas contaminadas na cidade”, traz a nota.

O alerta também é feito pelo infectologista Estevão Urbano. "Nós estamos vivendo um momento de taxa de contaminação até maior do que no pico anterior, os números de saturação de leitos continuam elevados, isso tudo tem a ver com as viagens e festas de fim de ano e o cenário é muito preocupante mesmo"

A cidade tem ainda 78.822 pessoas infectadas com 2.087 mortes. De acordo com boletim divulgado pela prefeitura nesta terça-feira (19). "É um cenário extremamente preocupante. A ideia é dar uma achatada nesta curva, que já estabilizou no alto e aos poucos torcer para ela decrescer", diz Urbano.

Com o início da vacinação em Belo Horizonte, o infectologista chama a atenção para que as pessoas não baixem a guarda e passem a se cuidar menos achando que a batalha já está ganha. "A recomendação é que as pessoas se conscientizem que uma coisa não leva a outra. O caminho é a conscientização".

A previsão de Urbano é que toda a população de BH esteja vacinada apenas no segundo semestre deste ano.

De acordo com o secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, André Reis, que participou da reunião com representantes do comércio, diante da situação crítica em que vive a capital, e para evitar o colapso no sistema de saúde de Belo Horizonte, a prefeitura continuará monitorando os números para novas movimentações no processo de reabertura do comércio e de outros serviços.

“Tão logo os indicadores permitam, retomaremos a flexibilização. A prioridade do Município continua sendo a vida. A Prefeitura, mais do que ninguém, quer a retomada do comércio, mas quer fazê-la de forma segura. É muito importante registrar que a medida não trata de culpar o comércio ou qualquer setor econômico pela explosão de casos". afirmou