A Polícia Civil concluiu que a morte do empresário Maurício Miranda Silva, de 47 anos, em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, há um ano, foi encomendada pelo próprio sócio. O acusado de ser o mandante do crime e outros três homens estão presos preventivamente.

O crime aconteceu no bairro Grã Duquesa e a vítima foi atingida com três tiros ao sair de casa. Na época, a esposa de Maurício disse aos policiais que o empresário era dono de uma transportadora de gado e tinha dívidas com bancos e agiotas que totalizavam mais de R$ 100 mil e, por isso, ele era ameaçado pelos credores.

O homem acusado de encomendar a morte contou à polícia que Maurício havia contraído muitas dívidas em seu nome. Um caminhão do suspeito chegou a ser usado para pagar dívida feita pela vítima.

Durante as investigações, para total surpresa dos policiais, uma pessoa se apresentou dizendo ser o autor do assassinato de Maurício. No dia 6 de março, um homem de 27 anos compareceu a uma delegacia contando que recebeu R$ 10 mil para assassinar Maurício e dando detalhes de como teria sido o crime e a transação monetária.

Os quatro indiciados, por homicídio duplamente qualificado, permanecem presos e, caso condenados, podem pegar de 12 a 30 anos de prisão.

Leia mais:
Dono de transportadora que apoiou greve dos caminhoneiros é assassinado em Valadares