A Justiça do Trabalho de Belo Horizonte condenou uma conservadora a pagar indenização de R$ 10 mil a uma ex-funcionária chamada de negra e macaca. Os xingamentos, segundo o processo, foram proferidos pelo filho do dono da empresa, que também trabalhava no local. A decisão é do juiz Antônio Gomes de Vasconcelos, da 45ª Vara.
 
A mulher alegou que foi tratada de forma agressiva, desrespeitosa e humilhante. A versão dela teria sido confirmada por uma testemunha. O homem, contudo, negou ter ofendido a ex-funcionária. O magistrado solicitou uma acareação entre as partes.
 
"A riqueza de detalhes, aliado a firmeza, lucidez e convicção da testemunha não deixou no espírito deste magistrado qualquer dúvida de que o fato ocorreu tal como narrado por ela", registrou o juiz na sentença. Um Boletim de Ocorrência reforçou o depoimento.