Criada para dar mais segurança e evitar conflito entre os veículos, a área reservada para motos nos sinais de trânsito de Belo Horizonte está sendo expandida em importantes corredores de tráfego. Na Cristiano Machado, a separação entre motociclistas e motoristas atinge agora 37 interseções semafóricas – antes eram 15. A avenida Amazonas também ganhou, recentemente, dois espaços.

A área de cinco metros é sinalizada horizontal e verticalmente, entre a faixa de pedestres e a de retenção para automóveis. Na Amazonas foram implantadas duas interseções no cruzamento com a avenida Barbacena, em ambos os sentidos. Porém, a pintura feita no chão para delimitar o local já está um pouco apagada.

“Nossa demanda sempre será a motofaixa. Bloco é uma solução paliativa. Indica boa vontade da BHTrans, mas não soluciona o problema do motociclista, que morre batendo em carros e atropelado” (Rogério dos Santos Lara, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Motociclistas e Ciclista de Minas Gerais)

Chamadas de Motoboxes, elas começaram a ser implantadas em maio deste ano. Apesar de ser avaliada de forma positiva pela BHTrans, a medida divide opiniões entre os motociclistas. Motoboy há dez anos, Fernando Machado, de 28, diz que trabalha entre 8h e 18h, horários em que o trânsito está movimentado.

“Chegar até a faixa é difícil e o traçado da avenida não contribui. O mais interessante seria criar uma faixa exclusiva para a moto, mesmo que desse para apenas uma passar. Andar em fila indiana seria muito melhor que se meter entre os carros”.

Já o motoboy Márcio Pereira, de 35 anos, diz que o novo espaço de separação “melhorou muito a situação”, dando segurança na hora da abertura do semáforo. Ele, porém, critica a postura de alguns condutores de BH. “Os carros invadem (a faixa). Dá medo. Os motoristas estão a cada dia mais intolerantes e estressados”, disse.

A BHTrans não disponibilizou fonte para falar sobre o assunto. Apesar de ter sido questionada sobre as falhas na pintura do Motobox da Amazonas e das críticas dos motociclistas, a assessoria de imprensa se limitou a enviar uma nota informando que “a implantação das áreas reservadas para motociclistas, que teve início em 17/5/16, foi bem avaliada”.

A empresa de transporte e trânsito reforçou que pretende estender o projeto a outras vias, mas não há uma data específica.

Com Igor Patrick e Mariana Durães