O governo de Minas informou que 796 municípios estão aptos a passar para a onda amarela do Minas Consciente, programa de protocolos criado pelo Estado para a retomada das atividades econômicas em meio à pandemia de coronavírus.

A informação foi divulgada pelo secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico de Minas, Fernando Passalio, em entrevista na tarde desta quinta-feira (27), na Cidade Administrativa.

Na onda amarela, as cidades podem permitir o funcionamento do comércio não essencial, considerado de médio risco, respeitando protocolos sanitários.

Apesar de 796 cidades preencherem os requisitos para avançar à onda amarela, o total de municípios que efetivamente aderiram ao plano até o momento é de 536.

Pessalio também revelou que das 14 macrorregiões em que o estado foi dividido, apenas a Nordeste se encontra na onda vermelha, em que somente os serviços essenciais tem a autorização para funcionar.

As demais 13 macrorregiões estão na onda amarela. (Confira no mapa abaixo).

"Hoje vamos ter apenas uma macrorregião na onda vermelha, que é a Nordeste. Aí eu chamo a atenção, a macorregião Nordeste é a única na onda vermelha e também a macroregião em que menos temos municípios aderidos ao plano. O que nos permite inferir que quanto mais os municípios aderem ao Minas Consciente, maiores são as possibilidades de avanço de ondas. A ações se coordenam, as pessoas têm acesso fácil à informação, agem de forma correta, tomam posturas corretas. Falo pelo desenvolvimento econômico, que esses protocolos sanitários são os grandes aliados na nossa recuperação neste momento", completou o secretário.

Entre as macrorregiões citadas por Pessalio, que avançaram da onda vermelha para a amarela estão a Centro, a Nororeste, a do Vale do Aço e a do Jequitinhonha.

Mapa Minas Consciente macrorregiões

Covid-19 em Minas

O boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) nesta quinta, aponta que 5.049 pessoas morreram em decorrência do coronavírus em Minas. Apesar da triste marca de mais de 5 mil vítimas da Covid-19, o secretário de Estado de Saúde de Minas, Carlos Eduardo Amaral, afirma que o estado mantém a tendência de queda no número de casos da doença.

 "Quando nós avaliamos as notificações e a data por óbito, nós vemos que as notificações já começaram a cair e a data de confirmação dos óbitos também está revelando uma tendência a queda. Isso pra nós é muito importante, porque se essa tendência se confirmar, estará sinalizando a saída do platô (estabilidade com alto número de casos)", afirmou o secretário, que também citou uma tendência de queda na média móvel de casos de Covis-19 nos últimos três e sete dias.