O Estado quer que a Vale pague mais de R$ 46 milhões para ressarcir os custos referentes às despesas do Corpo de Bombeiros no trabalho de buscas por vítimas do rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande BH, no dia 25 de janeiro. Na tragédia, foram contabilizados 252 mortos e os militares ainda buscam por 18 desaparecidos.

A cobrança foi feita pela Advocacia-Geral do Estado (AGE) durante audiência realizada nessa quinta-feira (24) na 6ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias de Belo Horizonte, no processo referente aos impactos provocados pela tragédia em Brumadinho. A AGE pediu que a Vale faça o ressarcimento de R$ 33.351.332,50 ao Estado de Minas Gerais e de R$ 13.262.114,86 a outros estados, referentes às despesas do Corpos de Bombeiros.

Brumadinho

Somente nesta sexta, 140 bombeiros trabalham nas buscas por desaparecidos

O juiz Elton Pupo Nogueira deu um prazo à mineradora de 48 horas para analisar os documentos apresentados sobre os custos. Procurada pela reportagem, a Vale informou que se manifestará nos autos no prazo concedido pelo juiz.

O Corpo de Bombeiros trabalha sem folgas desde o rompimento da barragem, há exatos nove meses, na busca pelas vítimas da tragédia. Nesta sexta-feira (25), 274º dia de trabalho na área atingida, estão trabalhando 140 bombeiros no local. Estão ainda à disposição das equipes 167 máquinas e um drone.

Leia mais:
Vale tem lucro de US$ 1,65 bilhão no terceiro trimestre
Justiça determina mais estudos sobre situação do rio das Velhas
Vale terá que pagar pela perfuração de 50 poços para garantir abastecimento de água na Grande BH