Tem suas informações pessoais, dados do veículo e todos os detalhes de um boleto original. Para deixá-lo mais confuso, ainda chega no seu endereço e tem a foto de um local por onde você passou. O esquema elaborado é, na verdade, um novo golpe que tem, em Belo Horizonte, vários alertas divulgados nos últimos dias pelo WhatsApp.

A fraude já fez vítimas em São Paulo e no Paraná. Ainda não há ocorrências na capital mineira, segundo o Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG). Mesmo assim, um alerta foi publicado esta semana no site do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

De acordo com o órgão, o crime consiste em fotografar veículos que estão trafegando em uma determinada via. Com a placa, os criminosos produzem o falso boleto de pagamento e o enviam para o endereço do proprietário.

“É estelionato, pois consiste no roubo de informações via internet para obter vantagem”, explica o delegado Felipe Falles, da 1ª Delegacia Especializada em Crimes Cibernéticos.

De janeiro a junho deste ano, 12.960 ocorrências desse tipo de crime em Minas foram registradas na unidade. Os dados incluem tentativas e crimes consumados.

Além de fraudes por meio de boleto, as estatísticas abrangem outros tipos de golpes aplicados pela internet. “A pessoa se aproveita de informações na internet, como publicação no Diário Oficial, e verifica o endereço e dados do motorista para aplicar o golpe”, afirma o delegado.

Nesses e em outros casos de estelionato cometidos virtualmente, é preciso registrar boletim de ocorrência na delegacia especializada, localizada no bairro Carlos Prates, Noroeste da capital, e acionar o Detran.

Prevenção

Delegada do departamento de trânsito mineiro, Cláudia Edna Calhau esclarece que todas as notificações e multas emitidas no Estado ficam registradas no sistema do órgão, mesmo sendo de origens diferentes (prefeituras, órgãos e departamentos de trânsito).

Na dúvida sobre a autenticidade do documento, ela sugere ao motorista acessar o site do Detran e verificar se existe algo registrado no sistema. “Assim que qualquer um dos órgãos registra o fato, ele já migra para a plataforma do Detran”, explica.

Antes da emissão da multa, é enviada ao motorista uma notificação de autuação, com prazo de 30 dias para recurso. Cláudia Edna destaca que esse é outro detalhe que merece atenção do proprietário do veículo.

2.014 casos de estelionato foram registrados em minas apenas em junho deste ano; os dados incluem tentativas e crimes consumados