Estudantes das redes pública e privada começam a se preparar para a volta à sala de aula. Em função do Mundial de futebol, em junho, os estabelecimentos de ensino anteciparam o retorno para 20 e 27 de janeiro ou 3 de fevereiro. A Lei Geral da Copa determina que as escolas distribuam os 200 dias letivos de modo que haja um recesso durante os jogos, entre 12 de junho e 12 de julho.

Em Belo Horizonte e região metropolitana, as aulas em todas as escolas (públicas e privadas) começam em 3 de fevereiro, e a pausa será de um mês no meio do ano, devido ao torneio. O objetivo é reduzir o fluxo de pessoas na cidade durante a Copa.

O mesmo calendário será adotado no restante da rede estadual. Segundo a Secretaria de Estado de Educação (SEE), o planejamento foi feito em 2013 e abrange 2,3 milhões de alunos.

Os estudantes de Montes Claros, no Norte de Minas, estão de mochilas prontas. Conforme o calendário municipal, as atividades serão retomadas na próxima segunda.

“Fazemos os últimos ajustes para o início das aulas. Tudo conforme a Lei da Copa”, diz a secretária Municipal de Educação, Sueli dos Reis Nobre Ferreira.

Mãe da estudante Bianca, de 13 anos, a empresária Cristiane Ferreira Sena, de 38, está confiante de que o cronograma de aulas será seguido normalmente. “Na maioria dos países que sediaram a Copa, a vida da população não foi alterada. Não há necessidade de que seja diferente no Brasil”.

Juiz de Fora, na Zona da Mata, receberá os 44 mil alunos da rede municipal no dia 27, assim como Varginha, no Sul de Minas.

“É um ano atípico, e a intenção é fazer com que os estudantes sofram o mínimo possível. Eles poderão acompanhar os jogos e não terão perdas em dias letivos ou no descanso de férias”, explica a inspetora Cláudia Luiza Gonzaga, de Varginha.

Durante o Mundial, as escolas privadas do Norte e Sul de Minas, do Triângulo e da Zona da Mata terão os rotineiros 15 dias de folga em julho, retomando as atividades em agosto. As escolas públicas suspenderão as atividades por 30 dias durante o campeonato.