O ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Paulo Medina faleceu, no sábado (3), em Belo Horizonte, em consequência da Covid-19. A informação foi confirmada pelo órgão judicial. Medina tinha 79 anos e era natural de Rochedo de Minas, na Zona da Mata.

O STJ prestou condolências à família do magistrado, que atuou no tribunal por nove anos. "Que Deus, em sua infinita misericórdia, console a todos pela inestimável perda", declarou o ministro Humberto Martins, presidente do STJ, em nome da Corte.

Paulo Medina foi vereador do município onde nasceu de 1961 a 1965. Bacharel em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora, em 1965, advogou até 1968, quando foi aprovado no concurso para juiz, atuando em várias comarcas mineiras. Em 1985, tornou-se juiz do Tribunal de Alçada e, em 1991, desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

Foi presidente da Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis), de 1993 a 1995; da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMG), de 1995 a 1997; e da Federação Latino-Americana de Magistrados (FLAM), de 1997 a 1999.

Em 2001, Paulo Medina tornou-se ministro do STJ, cargo que exerceu até aposentar-se em 2010. O ministro também exerceu a função de docente nas faculdades de Direito da Universidade Federal de Juiz de Fora, Barbacena, Conselheiro Lafaiete e na Pontifícia Universidade Católica, todas em Minas Gerais.​​

Leia mais:
Mais de 1.700 pessoas aguardam por um leito para tratamento da Covid-19 em Minas
PBH cita colapso e 'ofensa à saúde pública' em recurso contra autorização de missas presenciais
Promotor suspeito de matar a mulher está sob custódia em unidade dos Bombeiros, em BH